Pra não dizer que não falei de crônicas

De volta ao maldito 1968, por Ivan Drummond

Manhã de 14 de dezembro de 1968. Sempre que lembro dessa data, volto no tempo. Mais precisamente ao dia seguinte à publicação do AI-5 (Ato Inconstitucional número 5), que cassou direito dos políticos no país, uma das fortes marcas da ditadura militar. Como disse, era 14 de dezembro de 1968. Não houve aula naquele dia. A ordem, não sair à ...

Leia mais »

Fantasmas e loucos de Ouro Preto, por Mauro Werkema

Fala-se em Ouro Preto que se cercar é hospício e se cobrir é circo. Não se trata de depreciação da cidade que é hoje Patrimônio Cultural da Humanidade (Unesco/1980) e que nos seus 312 anos de existência tem muitos feitos históricos, cívicos e culturais. E é um destino turístico de fama internacional. Mas a verdade é que a velha cidade, ...

Leia mais »

Os encantos da Cidade, por Cláudio Arreguy

Cidade. Seis letras que significavam tudo. “Vou dar um pulo na Cidade.” Carecia de explicação. Tanto quem falava quanto quem ouvia sabiam do que se tratava. Tantas décadas depois, nem sei se alguém ainda se refere assim ao Centro de Belo Horizonte, o universo limitado pela Carandaí ‒ que cruzava a Afonso Pena e desembocava na Guajajaras ‒, as praças ...

Leia mais »

Sonhos ressuscitados, por Déa Januzzi

Outro dia pediram que enviasse meu currículo. Lembrei-me imediatamente do escritor Rubem Alves, que já no entardecer da vida escreveu: “Minha alma é um bolso onde guardo minhas memórias vivas. Memórias vivas são aquelas que continuam presentes no corpo. Uma vez lembradas, o corpo ri, chora, comove-se, dança. O que a memória amou fica eterno, disse a poeta Adélia Prado. ...

Leia mais »

Nossa canção, por Mirtes Helena Scalioni

Ao acordar todo dia, no meio do pandemônio, ela se pergunta se é mesmo verdade ou pesadelo. Em que momento a ficção virou real? Qual é mesmo a página do livro onde leu que é preciso mais do que lavar as mãos com sabonetes perfumados e incrementar a limpeza, agora rigorosa, com álcool e outros tais? Quando é mesmo que ...

Leia mais »

Acaso…, por Arnaldo Viana

Depois de quatro meses ou mais de isolamento, para diante do grande espelho ao lado da porta do banheiro. Tenta não se assustar ao ver o reflexo. Aliás, com o que não vê. Lá está apenas uma máscara negra. O nariz chato, os olhos esverdeados, vazios e cansados de ler escrever e corrigir palavras e conceitos não estão à vista. ...

Leia mais »

A casa sem portas, por Carlos Herculano Lopes

As mulheres têm razões das quais só elas são donas, e que a nós, os homens, não resta outra alternativa senão acatá-las, como convém à regra da boa convivência. Há alguns dias, quando cheguei em casa, levei o maior susto ao notar que todas as portas, inclusive as dos armários, haviam sido arrancadas. Só as que davam para a rua, ...

Leia mais »

Jornalistas de Minas estreia seção ‘Pra não dizer que não falei de crônicas’

O SJPMG e a Casa do Jornalista estão estreando nesta terça-feira 1/9/20 uma nova seção, destinada à publicação de crônicas escritas por jornalistas: ‘Pra não dizer que não falei de crônicas’. O objetivo é recuperar um gênero literário de grande sucesso, oferecendo ao público cronistas de qualidade que atualmente estão fora das páginas dos jornais. Para começar, publicamos duas crônicas: ...

Leia mais »