Jornalistas seguem paralisados pelo pagamento em dia dos salários no jornal Estado de Minas; mesmo os que receberam permanecem mobilizados em solidariedade aos que ainda estão sem pagamentos

A paralisação pelo pagamento em dia dos salários e pelo cumprimento de direitos trabalhistas básicos, que teve início na quinta-feira (11/11), segue firme no jornal Estado de Minas.

A empresa tem o hábito de pagar alguns no começo do mês, outros na metade e alguns até mesmo no fim ou no mês subsequente, sem nenhum critério ou aviso para os trabalhadores e trabalhadoras da notícia, que não conseguem nem ao menos programar sua vida financeira e contas a pagar.

Em um mês você pode receber na data prevista (5° dia útil) ou só no fim, causando insegurança e ansiedade. Também não há critério econômico para o pagamento. Algumas vezes os repórteres que ganham mais recebem primeiro e os de mais baixos vencimentos por último.

Também não há diálogo. A empresa não informa os trabalhadores sobre os motivos dos atrasos e os critérios para os pagamentos. Informações vagas são prestadas somente quando há movimentação grevista.

Todo esse ambiente, aliado a descumprimentos antigos e recorrentes, tem gerado indignação na redação e os movimentos grevistas têm crescido e ganhado força.

Além dos atrasos, a empresa não paga abono de férias, mas lança no contracheque, não recolhe FGTS, cortou o salário ilegalmente em 30%, não repõe o INPC desde 2017, achatando mais ainda a remuneração que foi reduzida. E ainda não tem CIPA.

Dezenas de reclamações já foram encaminhadas pelos trabalhadores ao Ministério Público do Trabalho, mas o problema segue se agravando.

 

Veja também

“É revoltante que uma mulher, jornalista, negra não esteja segura dentro dos estádios”, escreve estudante de jornalismo que teve seu trabalho cerceado no Mineirão

Ser mulher e ter o objetivo de atuar no mundo esportivo é um desafio que ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *