Em debate, nesta terça, a prevenção do câncer

0
703

Pela natureza da profissão, muita gente acha que as doenças do coração são as que mais matam jornalistas. Mas não é verdade. A principal causa da morte de  profissionais da imprensa em Belo Horizonte é o câncer. Nos últimos dois anos, entre fevereiro de 2022 e março de 2024, o câncer tirou a vida de oito jornalistas, todos de saudosa lembrança: João Paulo Cunha, Sérgio Amaral, Sérgio Prates, Régis Gonçalves, Júlio Baranda, Eliane Faccion, Carlos Eduardo Cherem e Vanessa Brasil. As demais causas foram problemas pulmonares (quatro mortes), doenças relacionadas ao coração (duas mortes) e infecções urinárias (dois casos). Um falecimento, o do jornalista Adival Coelho, pela idade avançada (96 anos), pode ser definido como tendo ocorrido por causas naturais.

A preocupação em relação ao câncer foi detectada pelo jornalista Marcelo Freitas, que é responsável pela produção dos obituários dos jornalistas que falecem. Ele afirma que, em determinado momento, em 2023, quando chegava ao Sindicato dos Jornalista a notícia do falecimento de algum colega, não indagava mais qual era a causa mortis, e sim, qual tinha sido o tipo de câncer.

Isso o levou a procurar uma das principais instituições de tratamento do câncer em Belo Horizonte, o Instituto Mário Penna, que se tornou parceiro do evento desta terça-feira, 16, no qual o chefe da Oncologia do Instituto Mário Penna e também do Hospital Madre Teresa, Elias Lima, irá explicar como é possível prevenir a doença.

Prevenção e tratamento precoce contribuem para reduzir mortes por câncer, que estão em alta no mundo Foto: Mateus Parreiras/Agecom/Gov/BA

Casos em alta

Hoje, as doenças que mais matam são as do coração e as do pulmão. Mas os casos de câncer estão aumentando ano após ano, no mundo e no Brasil também. Para 2024, as estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) são de que o país tenha 704 mil novos casos e que, na próxima década, o câncer se torne a principal causa de mortes no mundo. Daí, segundo Elias Lima, a importância da prevenção.

“Hoje a gente tem diversos exames que podem ser utilizados no diagnóstico precoce, que é fundamental para o aumento das taxas de sucesso do tratamento”, afirma o coordenador de Oncologia do Instituto Mário Penna e do Hospital Madre Teresa. Ele destaca o evento como um momento importante em que as pessoas saberão como fazer a prevenção e ficar em dia com a saúde.

“Fui salva pela prevenção”

Quem passou pela experiência de ter sido bem-sucedida no tratamento de um câncer de mama é a presidente do Sindicato dos Jornalistas, Lina Rocha. “Fui salva pela prevenção” afirma Lina, que no evento irá relatar sua própria  história, para que sirva de exemplo do quanto o cuidado com a saúde é importante.

Lina explica que o debate desta terça insere-se entre as prioridades do Sindicato, que é a de zelar pela saúde física e mental dos jornalistas. Por isso, ressalta, a entidade se organizou para a realização do evento que, segundo espera, acenda uma luz sobre a importância do autocuidado no dia-a-dia de uma jornada de trabalho que costuma ser exaustiva.

Serviço

Palestra sobre prevenção do câncer

Terça-feira, 16 de abril, às 19h30

Sindicato dos Jornalistas de Minas: av. Álvares Cabral, 400, Centro, Belo Horizonte