Três meses após o rompimento da barragem da Vale, Cachoeira do Choro continua sem a água potável

Sem água potável, a comunidade de Cachoeira do Choro, povoado que pertence ao município de Curvelo, pede socorro. Desde que o rejeito tóxico da Vale chegou ao trecho do Rio Paraopeba onde está a comunidade a água se tornou um grande problema. Se antes do rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão a água do poço artesiano que abastece a pequena comunidade era de boa qualidade e abundante, hoje, a realidade das famílias é diferente. A água que sai das torneiras é turva, apresenta gosto e cheiro ruins.

“A água tá uma borra preta, um trem com mau cheiro. Isso é muito perigoso. A gente tem que tomar cuidado porque consumir uma água dessa pode causar um grande problema”, relata uma das mulheres da comunidade que reclama também da falta de água durante todo o feriado da Semana Santa.

O poço artesiano fica a menos de 20 metros do leito do Rio Paraopeba e, embora sempre tenha apresentado uma água cristalina e inodora, desde a chegada do rejeito, que matou cerca de 300 pessoas em Brumadinho, a água que abastece a comunidade de Cachoeira do Choro apresenta péssima qualidade.

Técnicos da Vale que estiveram no povoado disseram aos moradores que a responsabilidade pela qualidade da água distribuída, a partir do poço artesiano na Cachoeira do Choro, é exclusiva da Copasa. Desse modo, a mineradora, que é a segunda maior do mundo no setor, não se responsabiliza por distribuir água potável para a população da comunidade. Ainda assim, com muita insistência, alguns poucos moradores conseguiram ter acesso a água mineral distribuída pela empresa. Esse comportamento da Vale gerou conflito no seio da pequena comunidade, uma vez que negar água para muitos enquanto distribui água para poucos acarreta desconfiança e desentendimento entre vizinhos, pois todos estão vivendo a mesma situação de consumo de água imprópria.

A Copasa esteve na comunidade e não deu retorno quanto a qualidade da água. A população continua consumindo uma água poluída e, muito provavelmente, contaminada pelo rejeito despejado pelo crime da Vale em janeiro de 2019. A impunidade pelo crime de 2015 que matou cerca de 20 pessoas e devastou a bacia do Rio Doce é, sem dúvida, o que possibilitou a repetição do crime em 2019, matando centenas de pessoas e a bacia do Rio Paraopeba.

Organização comunitária

Sentindo na pele a insegurança e a dor que o crime da Vale causou na comunidade, moradores, comerciantes e rancheiros uniram-se em assembleia, no ultimo dia 20 de abril, e elegeram seus representantes, formando, assim, a Comissão de Atingidos da Cachoeira do Choro. A primeira preocupação da comissão é a garantia de água de qualidade para toda a comunidade, para que a saúde de mais ninguém fique comprometida pelo crime da Vale.

Nesse sentido, membros da comissão junto a outras pessoas da comunidade mandaram fazer duas faixas de protesto exigindo uma resposta ao problema da água no povoado. A faixa será levada para uma reunião entre atingidos da Bacia do Rio Paraopeba, o Ministério Público de Minas Gerais, O Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União. A reunião que acontece amanhã, dia 25/04, ocasião em que o crime completa 3 meses, na quadra municipal de Brumadinho. A pauta da reunião é o acordo firmado entre a Vale e a Defensoria Pública Estadual (que lesa direitos dos atingidos) e o acesso ao auxílio emergencial que a Vale deve pagar a todos os atingidos.

Reunião com atingidos pela Vale
Data: 25/4
Hora: 14 horas
Local: Quadra Municipal de Brumadinho

Mais informações: Comissão de Atingidos da Cachoeira do Choro
e-mail: comissao.atingidos.choro@gmail.com.

(Divulgado pela Comissão dos Atingidos da Cachoeira do Choro. Foto: captura de tela.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[25/4/19]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *