Governador recebe FNDC e conversa sobre democratização da comunicação

O governador Fernando Pimentel recebeu em audiência na sexta-feira 14/10 representantes do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação em Minas Gerais (FNDC), dos quais ouviu propostas para uma política pública para a comunicação no estado. O encontro foi solicitado pelo FNDC para agradecer a acolhida do governo a duas importantes propostas feitas pelo fórum à recente lei que criou a Empresa Mineira de Comunicação (EMC): o Conselho Curador da EMC e a ativação do Conselho Estadual de Comunicação (CEC), previsto no Artigo 230 da Constituição estadual de 1989, mas que nunca funcionou.

“Foi a primeira vez em mais de vinte anos que um governador recebeu representantes do FNDC para discutir esse tema tão importante para a sociedade”, disse o jornalista Aloísio Lopes, ex-presidente do Sindicato, que participou do encontro, em companhia da coordenadora do FNDC em Minas, Florence Poznanski. A audiência coincidiu com a abertura da Semana Nacional pela Democratização da Comunicação, que está terminando nesta quinta 20/10 e foi marcada por atos, debates e atividades em todo o país.

Durante cerca de 40 minutos os representantes do FNDC apresentaram ao governador a visão do movimento sobre a democratização da comunicação. Fundado há exatos 25 anos, o FNDC é um movimento de âmbito nacional formado por sindicatos, entidades e movimentos sociais diversos (em Minas Gerais são 60), unidos pela convicção de que a democracia no Brasil não pode existir sem a efetiva democratização dos meios de comunicação.

Plano Estadual de Comunicação

A expectativa do FNDC é que a ativação do Conselho Estadual de Comunicação represente, enfim, a adoção de uma política de comunicação pública em Minas Gerais, pois uma das atribuições do CEC é aprovar o Plano Estadual de Comunicação. “É o que nós almejamos. É muito importante ter uma política pública de comunicação, que não deve se restringir às mídias governamentais, mas a todas as mídias”, ressalta Aloísio.

Ele explica que o incentivo do Estado à comunicação não deve se dar apenas na forma de publicidade, mas principalmente no fomento da comunicação educativa, comunitária e no interior, que são fundamentais para o desenvolvimento regional e a diversidade cultural.

EMC e Agência Minas

Os representantes do FNDC também expuseram suas ideias sobre o Conselho Curador da EMC. A proposta é que ele seja amplo, com um número equilibrado de membros, capaz de abrigar a diversidade de gêneros, raças e culturas, além de representar todas as regiões do estado, semelhante ao modelo adotado pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e que está sendo desmontado pelo governo Temer.

O FNDC defendeu ainda que o Estado lidere a rede pública de comunicação em Minas Gerais, integrando, além dos veículos oficiais, todos os veículos que desejem fazer parte dela, com a produção e veiculação de conteúdos. “É papel do Estado estimular a produção de conteúdos pela sociedade, conteúdos não governamentais”, explicou Aloísio.

Ele sustenta que a Agência Minas, agência de notícias do governo do estado, pode desempenhar função similar à da Agência Brasil, empresa subordinada à EBC, que, na última década, ganhou status de agência de notícias pública. “É importante que a Agência Minas produza, além do conteúdo governamental, pautas de interesse público, mas para isso é preciso ter investimento maior”, disse Aloísio.

Ele considerou a receptividade do governador às propostas do FNDC muito boa. “Ele reconhece a importância do FNDC e pediu para apresentarmos um documento escrito com as propostas para os conselhos”, informou Aloísio Lopes. “Nossa expectativa é que a lei seja cumprida e que os conselhos Estadual e Curador e o Plano Estadual de Comunicação sejam implantados.”

Na foto, Florence Poznanski, Aloísio Lopes e o governador Fernando Pimentel. Crédito da foto: Marcelo Sant’Anna / Governo MG. 

20/10/16

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *