Jornalistas e radialistas da Antares, no Piauí, protestam contra os baixos salários

Jornalistas e radialistas da Fundação Antares (TV e Rádio Educativas do Piauí) aprovaram um indicativo de greve depois de várias tentativas de negociação com a presidência da instituição e com o Governo. Um ato em frente da Fundação nesta segunda-feira (6/7) marcou a insatisfação dos trabalhadores.

Os jornalistas e radialistas da Antares não têm reajuste salarial desde 2011. O presidente da Fundação alega a existência de um decreto do Governo anterior que não permite a correção dos salários. Os profissionais de comunicação mais antigos da Fundação têm salários de R$ 900,00, enquanto os que foram contratados agora recebem salários de R$ 1.700, numa política discriminatória que tem gerado muita insatisfação.

Além da questão salarial, os profissionais da Antares reclamam melhores condições de trabalho e o respeito à jornada de trabalho, prevista na CLT. A insatisfação é generalizada. Em Teresina, Parnaíba e Picos, onde a Antares funciona, jornalistas e radialistas se queixam dos baixos salários e das precárias condições de trabalho. Na TV Delta, há também denúncias de assédio moral.

O Sindicato dos Jornalistas do Piauí (Sindjor-PI) e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e TV do Piauí (Sintertelpi) vão acionar o Ministério Público do Trabalho para acabar com os abusos. Avalia-se que, se o governo do Estado não atender às reivindicações dos funcionários da Fundação Antares, a greve será inevitável.

(Publicado no portal da Fenaj)

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *