Jornalistas e radialistas buscam acordo com nova proposta

Em mais uma reunião realizada pelo Sindicato dos Jornalistas com o Sindicato das Empresas de Rádio e Televisão de Minas Gerais, nesta segunda-feira (6/7), os patrões mantiveram a proposta salarial apresentada no encontro anterior, distante do ganho real e da reposição das perdas ocorridas entre 1º de abril de 2014 e 31 de março deste ano (8,42%). As negociações não avançaram.

Pela proposta patronal, os salários seriam reajustados em 5% a partir de 1º de abril e em mais 2% a partir de setembro próximo. As demais cláusulas econômicas, abono e piso receberiam aumento de 8%, também retroativo a 1º de abril. O reajuste de 2% em setembro incidiria sobre o salário reajustado em abril, mas não seria retroativo a abril.

O Sindicato realizou nesta terça-feira (7/7) reunião com o Sindicato dos Radialistas para formular uma proposta em conjunto, que será encaminhada nesta quarta-feira (8/7) aos patrões. A nova proposta prevê reajuste salarial de 5% a partir de abril, de 3% a partir de setembro próximo. Os pisos salariais e demais cláusulas econômicas teriam aumento de 8,42%, retroativo a abril. O abono seria reajustado para R$ 2.220. O Sindicato admite consultar a categoria em torno desta proposta.

Essa foi a nona reunião das negociações da Campanha Salarial 2015/2016, que estão difíceis desde o começo. O Sindicato este ano atua em conjunto com o Sindicato dos Radialistas e espera contar com o apoio da categoria para romper a intransigência patronal. Os patrões insistem em não conceder aumento real e usam como argumento a crise econômica.

Veja também

SJPMG repudia ataques a jornalistas por vereadora de Bom Jesus do Amparo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público repudiar os ataques feitos ...

3 comentários

  1. Porque não marcam uma assembleia para discutirmos as duas propostas?

  2. Gustavo Chaves Martins de Andrade

    Vamos marcar uma reunião para discutir as propostas?

  3. Concordo. Em um país democrático, uma questão que é interesse de milhares de pessoas tem que ser discutida, não é?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *