Violência contra jornalistas - reproducao Youtube
Violência contra jornalistas - reproducao Youtube

Em 2022, a cada dia um jornalista foi agredido

As agressões diretas a jornalistas tiveram crescimento em todas as regiões do país, com repórteres, cinegrafias e fotógrafos sendo atacados cotidianamente. A cada dia, um profissional de imprensa é alvo de ações violentas por parte das pessoas hostis aos trabalhadores.

No ano marcado pelo assassinato brutal do jornalista britânico Dom Philips, numa emboscada, junto com o indigenista Bruno Pereira, em Atalaia do Norte, no Amazonas, os ataques físicos aumentaram 88,5%, passando de 26 para 49 no ano passado.

Os dados constam do Relatório da Violência contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil – 2022, que será apresentado na próxima quarta-feira, dia 25, no Rio de Janeiro. O levantamento anual promovido pela Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) confirma que os jornalistas são vítimas do ódio político crescente no Brasil. Mesmo para quem não atua na mídia tradicional, cresce o risco de hostilizações apenas pelo fato de ser identificado como jornalista.

O ano de 2022 foi marcado, no Brasil, pelas eleições gerais e pela violência política, que atingiu autoridades, políticos, militantes dos movimentos sindical e social e pessoas que, em comum, têm o fato de serem defensores da democracia e das instituições democráticas. Os jornalistas brasileiros foram, igualmente, vítimas do ódio político, mas tiveram de continuar enfrentando também a violência dirigida à categoria em razão do exercício profissional. Em muitos casos, mais de um profissional foi agredido.

A entidade contabilizou uma queda no registro total de agressões contra jornalistas e veículos de comunicação, em relação ao ano anterior, como provável decorrência do aumento dos cuidados tomados pelos profissionais na cobertura de eventos jornalísticos. Foram 376 casos, 54 casos a menos que os 430 registrados em 2021, ano recorde, desde o início da série histórica dos levantamentos feitos pela FENAJ.

Houve crescimento de 133,33% nas ocorrências de Ameaças/hostilizações/intimidações, que foi a segunda categoria com maior número de ocorrências em 2022, com 77 casos. Já as Agressões físicas aumentaram 88,46%, passando de 26 para 49 no ano passado. 

  • O levantamento completo será apresentado na quarta-feira, 25 de janeiro, na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro.  

Serviço:

Lançamento do Relatório da Violência Contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil – 2022.

Quando? Quarta-feira, 25/01, às 15 horas

Onde? Sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro – Rua Evaristo da Veiga, 16, 17º andar – Cinelândia

Transmissão: Canal da FENAJ no YouTube e Facebook, e retransmissão pelas páginas dos Sindicatos de Jornalistas filiados


Mais informações sobre participação na coletiva de imprensa:

E-mails: sindicato-rio@jornalistas.org.br e fenaj@fenaj.org.br

Telefone – (21) 99806.3730

WhatsApp – (21) 99278.2137

Veja também

Ministro discute criação de observatorio da violência contra jornalistas - foto: Ministério da Justiça

Ministério da Justiça vai criar Observatório da Violência contra Jornalistas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *