Equipe da TV Band Minas é atacada por bombas em manifestação das polícias em BH

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJMPG) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam mais uma violência sofrida por jornalistas em manifestações dos policiais e cobram do governo do estado, do Ministério Público e da própria Polícia Civil que os fatos sejam apurados e os responsáveis punidos. Hoje (9/3), durante manifestação dos policiais por melhorias salariais, no centro da capital mineira, uma equipe da Band Minas foi ferida e hostilizada. No último dia 25/2, uma equipe da TV Globo foi cercada, xingada e hostilizada, também durante a manifestação dos policiais, e teve que deixar o local.

Durante o ato, enquanto trabalhava na cobertura, a repórter Laura França, da TV Band Minas, foi ferida por uma bomba e sofreu um trauma auditivo, após o artefato estourar do seu lado. O repórter Caio Tárcia, da Band News, também foi alvo de uma bomba lançada contra ele quando seguia acompanhando a manifestação. Por sorte não foi atingido, mas foi hostilizado e xingado durante a cobertura e teve que deixar o ato.

Laura vai passar por exames nesta tarde para avaliar a extensão do trauma e Caio para apurar se houve algum dano. Os dois estão sendo assistidos pelo comando da emissora, que divulgou uma nota repudiando a atitude dos manifestantes e cobrando da Polícia Militar o acompanhamento do protesto, garantindo a segurança dos envolvidos, inclusive dos profissionais da imprensa. A emissora também exigiu responsabilidade das categorias envolvidas nas agressões e o acompanhamento do caso pelo governo de Minas, Ministério Público e Justiça.

O SJPMG e a Fenaj também querem garantia de segurança para os jornalistas em atos da polícia e que os casos envolvendo os jornalistas da Band e do Globo sejam rigorosamente apurados e severamente punidos. É inaceitável que as forças de segurança do estado ajam com violência e hostilidade para impedir o trabalho da imprensa.

Urge uma ação efetiva do estado e suas instituições para coibir casos como esses. Sem punição firme para casos como esses a violência contra jornalistas vai seguir crescendo de maneira vertiginosa, colocando em risco não somente a vida dos trabalhadores da notícia, mas também a liberdade de imprensa no Brasil. A violência contra jornalistas é um ameaça à sociedade e à democracia. Exigimos apuração.

Veja também

Comitê Popular destaca risco de topar com alguém de covid em BH e critica defesa da PBH de prescrição de ivermectina

A quinta edição do Boletim de Monitoramento do Comitê Popular de Belo Horizonte de Combate ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *