Salários e EMC levam trabalhadores da Rede Minas à greve

Trabalhadores da Rede Minas paralisam suas atividades hoje em protesto contra os baixos salários e a falta de definição e clareza sobre o destino de todos na Empresa Mineira de Comunicação (EMC). A decisão é motivada pela falta de reposição salarial após sete anos de serviços prestados à Rede Minas e ausência de transparência quanto aos procedimentos adotados pela direção da empresa na implantação do Plano de Cargos e Salários (PCS) para os servidores da TV.

Os trabalhadores também decidiram pela greve diante da falta de interesse da direção em defender, junto à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão e à Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, os trabalhadores sobre vínculos, benefícios e direitos diante da iminente migração destes profissionais para a recém-criada EMC.

O estopim para o movimento paredista, além da insatisfação crescente com o comando da EMC, foi a publicação, pela empresa, de um planejamento estratégico que prevê que os trabalhadores da Rede Minas passem, a partir de março, a produzir também para a Inconfidência com “custo zero”, o que pode significar acúmulo de função sem acréscimo salarial.

Os trabalhadores da Rede Minas exigem uma lei de carreira decente que preveja a recomposição das perdas e iguale o salário deles com o dos jornalistas e radialistas da Inconfidência, já que a intenção é unir as duas emissoras públicas em uma mesma empresa, a EMC.

Veja também

Comitê Popular destaca risco de topar com alguém de covid em BH e critica defesa da PBH de prescrição de ivermectina

A quinta edição do Boletim de Monitoramento do Comitê Popular de Belo Horizonte de Combate ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *