Curso Livre de Jornalismo reabre inscrições para a segunda aula

Já estão abertas as inscrições para a segunda aula do Curso Livre de Jornalismo, que acontecerá na próxima segunda-feira 31/8, das 14h às 16h, pela internet. Aqueles que se inscreveram para a primeira aula não precisam se inscrever novamente.

Clique AQUI para fazer sua inscrição.

Realizado pelo SJPMG e coordenado pelo jornalista e professor João Carlos Firpe Penna, o Curso Livre de Jornalismo 2020 é gratuito e dará certificado aos participantes que tiverem 50% de presença ou mais.

O tema desta temporada é “A arte de humanizar o jornalismo”, com quatro subtemas: 1) A dor da gente que não sai no jornal; 2) Como cobrir economia para a dona Maria; 3) A gestão Bolsonaro: da gripezinha ao genocídio; 4) Reflexões sobre a cobertura jornalística na pandemia.

A primeira aula, que aconteceu nesta segunda 24/8, encerrou inscrições antes do prazo devido à grande procura. Inscreveram-se não apenas estudantes e recém-formados, o principal público alvo, mas também profissionais com atuação em vários tipos de veículos, assessorias e instituições.

Cada aula conta também com a participação de um jornalista convidado. O primeiro foi Daniel Camargos (foto acima), repórter investigativo da ONG Repórter Brasil, diretor da Abraji e ex-vice-presidente do SJPMG. Os participantes puderam fazer perguntas pelo chat.

Com quase vinte anos de experiência, tendo trabalhado também nos jornais Estado de Minas e Folha de S.Paulo, Daniel enriqueceu a discussão com exemplos práticos e recentes de reportagens feitas na Amazônia, envolvendo queimadas, desmatamentos, perseguições a trabalhadores sem terra e impunidade de grandes criminosos.

Ele falou da satisfação de realizar um trabalho profissional que tem grande importância social e também das ameaças e riscos de segurança corridos por repórteres. “Nessas situações, a carteirinha de jornalista da Fenaj é um documento fundamental”, disse Daniel.

Ele contou que inúmeras vezes tomou duras da polícia, mas, graças à identidade profissional de jornalista, pôde fazer seu trabalho. “Eles respeitam a carteira de jornalista”, enfatizou, acrescentando que a confecção do documento fortalece o sindicato e a categoria. “Sozinho, ninguém faz nada”, disse.

Idealizador do curso, professor de jornalismo na PUC Minas durante 29 anos, além de jornalista experiente, João Carlos Penna (foto abaixo) também ilustrou com inúmeros a importância de se fazer um jornalismo voltado para o cidadão, que se distingue do jornalismo para o mercado e do jornalismo para a academia. “O jornalismo é feito de humanos para humanos”, enfatizou.

João Carlos comparou manchetes diferentes de jornais sobre o mesmo assunto, para demonstrar como o cidadão pode ser incluído ou excluído da informação pelo jornalismo: “Descontrole da inflação deixa mercado tenso”; “Governo eleva Selic para combater inflação”; “Inflação em alta pesa mais para assalariados”. Evidentemente, somente a terceira é compreensível pelo leitor comum.

Ele mostrou ainda como até o verbo usado numa manchete expressa o ponto de vista da empresa jornalística, como nesses exemplos da mesma notícia: 1) “MST ocupa fazenda improdutiva em área de latifúndio”; 2) “MST invade propriedade particular no Triângulo Mineiro”.

As duas últimas aulas do Curso Livre de Jornalismo 2020 serão nos dias 14 e 21 de setembro. A primeira aula pode ser vista na página do SJPMG no Facebook.

 

 

[25/8/20]

 

Veja também

Análise da imprensa durante a pandemia encerra Curso Livre de Jornalismo 2020

Faz falta na imprensa brasileira a figura do editor científico, avalia o médico infectologista Unaí ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *