Presa sem provas há mais de 70 dias, líder do MSTC diz que é presa política

Por LU SUDRÉ

Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, Preta Ferreira denuncia criminalização da luta por moradia.

“Eu fui presa por combater a injustiça. Isso sempre esteve em minhas veias. Agora bato de frente com ela diariamente.” É assim que Preta Ferreira, como é conhecida Jacine Ferreira da Silva, uma das lideranças do movimento por moradia em São Paulo, define o que sente após mais de 70 dias de prisão.

Detida na Penitenciária Feminina de Santana, ela é acusada de extorsão e associação criminosa por supostamente coagir moradores a pagarem taxas nas ocupações do centro da cidade de São Paulo. Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, ela conta que foi chamada a prestar um depoimento e não voltou mais para casa.

A denúncia que baseia a investigação foi feita a partir de uma carta anônima e é um desdobramento da apuração do incêndio no edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, em 1º de maio de 2018. Com a coordenadora do MSTC (Movimento dos Sem Teto do Centro), outras três lideranças também foram detidas. Treze, no total, tiveram prisão decretada.

Preta Ferreira defende sua inocência e denuncia a ausência de provas. “Eu pergunto aos governantes, a quem me colocou aqui: Cadê as provas? Qual foi a extorsão que eu pratiquei? É uma prisão política. A sociedade está vendo o que está acontecendo.”

A militante explica que existe um acordo entre os moradores da ocupação para que todos contribuam mensalmente com R$ 200 para a manutenção dos prédios. É esse pacto – tratado pelos investigadores como “extorsão” – que garante, por exemplo, a segurança e a limpeza do local, evitando que tragédias como a do Largo do Paissandu se repitam.

Em agosto, Carmen Ferreira, liderança do MSTC e mãe de Preta, foi absolvida por unanimidade pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) com acusações semelhantes às que recaem sobre a filha.

Na opinião da jovem militante, que também é publicitária e produtora cultural, o objetivo desse processo é criminalizar os movimentos populares: “A nossa detenção e essa perseguição toda ao movimento de moradia faz parte de uma ameaça, faz parte de um plano para acabar com os movimentos de moradia. Prendem as lideranças, amedrontam quem não tem moradia, e aí acaba”.

Durante a entrevista, ela também falou sobre seu cotidiano na penitenciária, onde estão outras 2.056 mil presas. “Assim como eu, inocente, estou aqui presa, existem outras mulheres, em sua grande maioria negras, presas injustamente. Jogaram a gente em um navio negreiro”, compara.

Sobre a campanha que os movimentos populares fazem por sua liberdade, Preta reforça que a luta não se resume a ela. “Não é só ‘Preta Livre’. São ‘Pretas Livres’.”

A entrevista foi concedida na tarde do dia 4 de setembro, quando completaram-se 72 dias de prisão.

Clique AQUI para ler a íntegra da entrevista no Brasil de Fato.

(Crédito da foto: Marcelo Cruz.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

 

Veja também

‘Rolê nas Gerais’, novo programa da Globo, estreia neste sábado 21/9

As jornalistas Renata do Carmo e Tábata Poline (foto) comandam neste sábado 21/9 Rolê nas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *