Manifesto pede fim do financiamento de programas de rádio e TV que violam direitos humanos

Manifesto assinado por entidades como Federação Nacional de Jornalistas (Fenaj), Rede Andi, Coletivo Intervozes, Conselho Federal de Psicologia, Instituto Sou da Paz, Instituto Noa e por personalidades como a deputada federal Luísa Erundina (PSOL-SP) pede o fim do financiamento publicitário dos programas chamados de “policialescos” veiculados por emissoras de rádio e televisão.

“Ao se valer de sensacionalismo e violência, tais programas violam sistematicamente inúmeros direitos humanos, se aproveitam da exposição indevida da imagem de vítimas e acusados, da promoção do racismo, do machismo e da homofobia, além de legitimarem e estimularem violências institucionais, como a policial, para atrair audiência”, argumenta o manifesto.

O manifesto traz também o estudo Violações de direitos na mídia brasileira, publicado em 2015 e que acompanhou 28 programas do gênero durante 30 dias, em 10 estados brasileiros. Ele constatou mais de 4.500 violações de direitos, 8.232 infrações às leis brasileiras, 7.529 infrações a acordos internacionais e 1.962 desrespeitos a normas autorregulatórias nas matérias apresentadas.

“Acreditamos que o financiamento de violações sistemáticas a direitos fundamentais não faz parte dos valores dessas instituições. Deste modo, convocamos empresas públicas e privadas a reverem seus planos de publicidade, manifestando-nos pelo fim do financiamento de tais violações, especialmente dos direitos de crianças e adolescentes, prioridade absoluta em nosso país, conforme determina o artigo 227 da Constituição Federal”, resume o texto.

Clique AQUI para ler o manifesto na íntegra.

(Publicado pelo portal Imprensa, em 16/6/2019.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[17/6/19]

Veja também

Emissoras educativas mineiras migram da Rede Minas para a TV Cultura de SP

Emissoras de televisão educativas de Minas Gerais lideradas pela Associação Mineira de Rádio e Televisão ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *