Google cria incubadora jornalística e destina recursos para negócios e produtos

O Google vai criar a Incubadora Jornalística de Nativos Digitais, um projeto piloto pioneiro que oferecerá mentoria e espaço físico no Google for Startups Campus em São Paulo para equipes que estão criando empresas jornalísticas digitais. As equipes terão acesso a produtos e mentores do Google, especialistas da área e recursos para acelerar o desenvolvimento dos seus negócios e serem sustentáveis. O objetivo é desenvolver uma série de melhores práticas sobre como construir organizações de jornalismo digital sustentáveis no século 21, especialmente no Brasil. A incubadora vai começar suas atividades no fim de 2019.

O anúncio foi feito durante o Google For Brasil, realizado em São Paulo no dia 6 de junho, no qual a multinacional comunicou os investimentos do Google News Initiative (GNI). Entre esses investimentos está também o Desafio de Inovação Google News Initiative da América Latina, cujo objetivo é possibilitar a sustentabilidade das empresas jornalísticas por meio de novos modelos de negócios e produtos jornalísticos. O programa destinará até R$ 1 milhão para cada projeto aprovado. As inscrições estão abertas a todas as empresas jornalísticas. Para obter mais informações acesse o saite g.co/desafioGNI. O prazo final para apresentação de projetos é 23 de julho de 2019, às 1h59 (horário de Brasília).

Abraji, ANJ, Projor

O Google anunciou também a destinação de R$ 2 milhões para associações e consórcios de mídia brasileiros, entre eles a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). A Abraji coordena o projeto Comprova, que reúne 24 empresas de mídia do Brasil, cujo objetivo é descobrir e investigar informações enganosas, inventadas e deliberadamente falsas. Na campanha presidencial de 2018, essas empresas monitoraran e verificaram a veracidade de informações compartilhadas por fontes não oficiais nas redes sociais e em aplicativos de mensagens. A Abraji também coordenará um programa de desenvolvimento para jornalistas de periferia.

Outra organização beneficiada pelos recursos do GNI é o Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor). Ele vai coordenar a próxima fase do Projeto Credibilidade, um consórcio de mídia que pretende identificar jornalismo de qualidade on-line. O projeto está presente também na Europa, Canadá e Estados Unidos, e reúne mais de 100 organizações noticiosas, oito delas no Brasil: Agência Lupa, Agência Mural, Folha de S. Paulo, Nexo Jornal, O Povo, Poder 360, Jornal do Commércio e Nova Escola.

A Associação Nacional dos Jornais (ANJ) também receberá recursos do Google para realizar uma série de webinários, neologismo que significa seminário transmitido ao vivo pela internet.

O GNI destinará ainda R$ 4 milhões para o EducaMídia, programa do Instituto Palavra Aberta que pretende capacitar professores e organizações de ensino, e engajar a sociedade no processo de educação midiática dos jovens, desenvolvendo seus potenciais de comunicação nos diversos meios. O apoio será feito por meio do Google.org, banco de filantropia do Google, ao longo dos próximos dois anos.

O Google comunicou ainda que já está funcionando o Laboratório de Assinaturas, programa que visa a ajudar oito empresas de jornalismo na América Latina, incluindo quatro brasileiras, a obter assinaturas. Elas vão receber apoio especializado da Mather Economics, da Wan-Ifra, a Associação Mundial de Jornais, e do Google, para potencializar suas assinaturas digitais. O GNI também irá produzir guias e referências de melhores práticas do Laboratório de Assinaturas para que outras empresas de jornalismo possam se beneficiar da experiência.

As novidades do Google for Brasil estão disponíveis no endereço https://twitter.com/googlebrasil.

(Na foto, o presidente do Google Brasil, Fábio Coelho, durante o Google For Brasil. Crédito: divulgação.)

(Com informações do Portal Imprensa.)

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[10/6/19]

 

Veja também

Decisão em segunda instância confirma reintegração dos demitidos da Abril

Trabalhadores demitidos desde julho de 2017 são abrangidos pela decisão judicial. Por Adriana Franco, Sindicato ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *