Jornalistas do Estado de Minas ganham prêmio com série sobre a tragédia de Mariana

A equipe de jornalistas do Estado de Minas ganhou o primeiro lugar do 4º Prêmio de Jornalismo Promotor de Justiça Chico Lins, com a série de reportagens “Tragédia Brasileira”, que retrata o rompimento da barragem da mineradora Samarco (Vale / BHP Billiton) em Bento Rodrigues, distrito de Mariana. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira 18/1.

O prêmio é realizado pela Associação Mineira do Ministério Público. A série vencedora aborda também o trabalho do Ministério Público para mitigar os prejuízos da tragédia. Concorreram mais de cem profissionais, entre repórteres, jornalistas, editores e chargistas.

O segundo lugar ficou com a reportagem “25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente”, do repórter Renato Fonseca, do jornal Hoje em Dia, que contou com participação de Raquel Ramos e Flávio Tavares. O terceiro lugar coube à reportagem “O combate das farras das diárias e ao empreguismo no serviço público”, também do Estado de Minas, do repórter Luiz Ribeiro Santos e Maria Clara Prates.

Os prêmios são de R$ 10 mil, para o primeiro lugar; R$ 5 mil, para o segundo e R$ 2,5 mil, para o terceiro. A solenidade de entrega acontecerá no próximo dia 25 janeiro.

O objetivo do prêmio é estimular a publicação de matérias relacionadas com a atuação do Ministério Público brasileiro e reconhecer e premiar trabalhos jornalísticos que se destaquem por tornarem acessíveis ao público informações sobre o MP. O prêmio homenageia o promotor de Justiça Francisco José Lins do Rêgo Santos, que era secretário da Promotoria de Defesa do Consumidor, o Procon Estadual, quando foi assassinado, em 25 de janeiro de 2002. Chico Lins, como era conhecido pelos colegas, foi morto com sete tiros, durante investigação sobre a máfia dos combustíveis em Minas Gerais.

(Com informações do saite da AMMP.)

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *