Em 2024, a inteligência artificial vai ampliar a presença nas redações

0
222
três pessoas sentadas diante de uma tela com dezenas de rostos - foto: Pixabay
Relatório do Reuters Institute prevê aumento da influência da IA no jornalismo - foto: Pixabay

Relatório sobre as perspectivas para 2024 revela um quadro de aumento da influência da inteligência artificial e continuidade dos desafios para a sobrevivência das empresas jornalísticas

Carlos Plácido Teixeira
Jornalista | Diretor do SJPMG

O poder disruptivo da inteligência artificial (IA) varrerá os ambientes das informações em 2024, num momento de intensa volatilidade política e econômica em todo o mundo. As implicações para a confiança nas informações e a sustentabilidade dos principais meios de comunicação social serão provavelmente profundas. A avaliação sobre o ano desafiante para a imprensa e para os jornalistas é do relatório “Tendências e previsões de jornalismo, mídia e tecnologia para 2024” produzido pela parceria entre Reuters Institute e University of Oxford.

O estudo leva em conta que o ano será marcado por eleições críticas em mais de 40 democracias, com guerras que continuam a ocorrer na Europa e no Médio Oriente. Neste contexto, avalia o estudo, os jornalistas e as organizações noticiosas terão de repensar o seu papel e propósito com alguma urgência. Afinal, na cobertura dos eventos e produção de notícias, há elementos novos, como o aumento do uso das tecnologias. Com a previsão de crescimento do uso da inteligência artificial, a grande maioria de todo o conteúdo da Internet será produzido sinteticamente até 2026.

O modelo de produção de notícias entra em nova fase da história do jornalismo. Não é apenas o conteúdo que será turbinado, afirma o editor do estudo, Nico Newman. A distribuição das informações também está preparada para uma grande reviravolta. Este será o ano em que as Search Generative Experiences (SGE) — experiências em busca generativa — começarão a ser implementadas na internet, juntamente com uma série de chatbots baseados em IA que oferecerão uma forma mais rápida e intuitiva de acessar informação.

Os bots de IA e os assistentes pessoais ganharão mais força em 2024, sendo as notícias atualizadas e o desporto um caso de utilização importante – levantando questões existenciais sobre a propriedade intelectual. Muitos desses bots serão conduzidos por personalidades ou jornalistas à medida que as tecnologias de clonagem melhoram, levantando questões legais e éticas.

Desintermediação: as plataformas perdem participação

Com a influência das inovações, a audiência dos sites de notícias tradicionais pode ser impactada, aumentando a pressão nas empresas para compensar perdas nos resultados financeiros. Os empresários podem realizar o sonho de desvincular suas atividades em relação às plataformas. “Podemos esperar que os proprietários dos meios de comunicação construam mais barreiras ao conteúdo este ano, bem como contratem advogados dispendiosos para proteger a sua propriedade intelectual (PI)” diz Nico Newman.

Eles estarão cientes de que essas estratégias correm o risco de deixar suas marcas de fora, tornando ainda mais difícil alcançar públicos mais jovens e menos instruídos – muitos dos quais já estão confortáveis ​​com notícias geradas por algoritmos e têm laços mais fracos com mídia tradicional.

Como os líderes da mídia veem o próximo ano

Estas são as principais conclusões do relatório, extraído de uma amostra estratégica de mais de 300 líderes digitais de mais de 50 países e territórios.

Apenas metade (47%) da nossa amostra de editores, CEOs e executivos digitais dizem estar confiantes sobre as perspetivas do jornalismo em 2024, com cerca de um décimo (12%) a expressar baixa confiança.

As preocupações estão relacionadas com aumento dos custos, diminuição das receitas publicitárias e abrandamento do crescimento das subscrições – bem como ao aumento do assédio jurídico e físico.

As razões para estarmos alegres incluem a esperança de que eleições renhidas nos EUA e noutros países possam impulsionar o consumo e o interesse, ainda que temporariamente e com o potencial de causar ainda mais danos à confiança.

Quase dois terços (63%) dos entrevistados da nossa pesquisa dizem estar preocupados com um declínio acentuado no tráfego de referência de sites de mídia social. Segundo os dados do provedor de análise Chartbeat, o tráfego para sites de notícias do Facebook caiu 48% em 2023, com o tráfego do X/Twitter diminuindo 27%.

Cerca de três quartos (77%) afirmam que se concentrarão mais nos seus próprios canais diretos no próximo ano, com um quinto (22%) recorrendo à redução de custos e uma proporção semelhante (20%) experimentando plataformas alternativas de terceiros.

Os editores pretendem investir mais no WhatsApp e Instagram após a decisão da Meta de abrir canais de transmissão para editores.

O interesse em redes de vídeo como TikTok (+55) e YouTube (+44) permanece forte, enquanto o Google Discover está se tornando uma fonte de referência mais importante, mas volátil. Por outro lado, o sentimento dos editores em relação ao Facebook piorou ainda mais este ano (pontuação líquida de -38), juntamente com o X/Twitter (pontuação líquida de -39).

A maioria dos nossos editores entrevistados afirma que planeja criar mais vídeos, mais boletins informativos e mais podcasts, mas basicamente o mesmo número de artigos de notícias.

Cerca de metade (54%) dos entrevistados admite que suas empresas estão mais focadas em maximizar a atenção do que em respeitar mais o tempo do seu público (37%).

Os perigos duplos da evitação seletiva de notícias e da fadiga noticiosa continuam a ser uma grande fonte de preocupação para as empresas de comunicação social. Para contornar, elas tendem a incluir uma melhor explicação de histórias complexas, abordagens mais orientadas para soluções ou construtivas para contar histórias e histórias humanas mais inspiradoras. Houve menos apoio à encomenda de notícias mais positivas ou divertidas.

Confira o estudo integral clicando aqui

Illustration created with AI-powered tool Dall-E.
Illustration created with AI-powered tool Dall-E.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here