Polícia Civil identifica agressores bolsonaristas de jornalistas mineiros 

Em encontros com autoridades, SJPMG reivindica maior celeridade nas investigações e prisões de agressores

A Polícia Civil de Minas Gerais já identificou entre 10 e 12 bolsonaristas envolvidos em agressões a nove jornalistas mineiros, na primeira semana de janeiro, em frente ao quartel da 4ª Região Militar, em Belo Horizonte . Ao divulgar informações sobre as investigações em um dia pouco usual para entrevistas coletivas, neste sábado, dia 14, a Polícia Civil criou expectativas entre os jornalistas e seus representantes de que seriam apresentadas revelações de peso. 

Para Lina Rocha, vice-presidenta do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, as informações foram importantes, mas insuficientes para a categoria, transformada em vítima de uma violência crescente ao desempenhar suas atividades. “A gente gostaria de ter respostas mais céleres da Polícia Civil, com a identificação dos agressores”, afirmou.  

Ela compartilha da frustração de jornalistas que participaram da entrevista coletiva diante da ausência de nomes de indiciados ou da decretação de prisões. O desejo de soluções rápidas é o resultado da ansiedade da categoria, que reivindica o combate mais rápido aos agressores. 

Com o objetivo de acelerar procedimentos e aumentar a proteção dos trabalhadores, o Sindicato dos Jornalistas de Minas cobra o apoio de instituições públicas. No dia 10, formalizou junto à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) e à Procuradoria-Geral de Justiça o pedido para que sejam devidamente apuradas as agressões praticadas durante a desmontagem do acampamento de bolsonaristas na avenida Raja Gabaglia. 

Resultados parciais: ansiedade x cautela

Ao convocar a entrevista, os investigadores quiseram evidenciar que os acontecimentos estão sob investigação acelerada, inclusive com a articulação das instituições públicas estaduais e federais, com o objetivo de encaminhar processos e realizar prisões.

“Repudiamos todos os ataques à imprensa e estamos empenhados em resolver os casos o mais rápido possível”, afirmou Cinara da Rocha e Santos Lima, coordenadora da condução das investigações. Os investigadores envolvidos preferem reiterar a cautela como estratégia,  para que seja possível chegar a todos os autores envolvidos com denúncias individualizadas. Cinara Lima, assinala que “são apuradas as circunstâncias, os motivos e a autoria dos atos. E já foram ouvidas vítimas e testemunhas”.

Outros manifestantes antidemocráticos ainda podem ser identificados. E os dados que estão sendo levantados também podem apontar para a existência de relações de suspeitos potenciais com outras atividades criminosas. Inclusive sobre a participação nos atos terroristas em Brasília, no dia 8, quando criminosos invadiram e depredaram o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF).

De mais concreto, a Polícia Civil divulgou que quatro inquéritos foram instaurados sobre o caso. O avanço das investigações já possibilita definir a conduta individualizada dos suspeitos das agressões, com laudos periciais. 

A identificação dos manifestantes é favorecida por vídeos produzidos tanto pelas próprias vítimas, quanto por outras testemunhas, incluindo moradores da região e por motoristas que passavam pelo local.

PMs: omissões serão investigadas

Os delegados responsáveis pelas investigações garantiram que omissões por parte de policiais militares, denunciadas pelas vítimas, serão punidas.

Jornalistas que foram alvos de ataques relataram a indiferença de PMs próximos aos locais, enquanto ocorriam as agressões aos trabalhadores de imprensa que acompanhavam o desmonte do acampamento pela Guarda Municipal. Se as denúncias forem comprovadas, haverá punição”, disse Cinara Lima. 

Os investigadores garantem que Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário desempenham, agora, atividades integradas. Inibir a possibilidade de novas manifestações que tenham viés antidemocrático também é uma das preocupações centrais das iniciativas dos órgãos envolvidos. E havendo a necessidade de alguma medida cautelar contra qualquer um dos envolvidos que estejam fora da cidade ou até mesmo do país, haverá interlocução para acelerar os procedimentos legais. 

Veja também

Violência contra jornalistas - reproducao Youtube

Em 2022, a cada dia um jornalista foi agredido

As agressões diretas a jornalistas tiveram crescimento em todas as regiões do país, com repórteres, ...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *