Morre jornalista Nivaldo Resende

Minas Gerais perdeu mais um jornalista para a pandemia. Nivaldo Resende, jornalista do Diário do Aço e integrante da Academia de Letras de Ipatinga, faleceu hoje aos 67 anos. Ele estava internado desde sexta-feira para tratamento de complicações causadas pela covid-19.

Nivaldo era revisor da versão impressa do diário, editor da página de Cultura e Entretenimento e também o responsável pelos suplementos cadernos especiais do jornal. Desde o começo da pandemia, Nivaldo, que fazia parte do grupo de risco, trabalhava de casa, e era um ferrenho defensor das medidas de isolamento social .
Nascido em Ritapólis e criado em São João Del-Rei, Nivaldo foi assessor de Comunicação da CDL e do Sindicato dos Metalúrgicos de Ipatinga. Também trabalhou na Usiminas, foi diretor do Clube de Escritores de Ipatinga e membro fundador da Academia de Letras, Artes e Ciências do Brasil de Mariana. Tinha dois livros publicados – Papo de Peão (1997) e A Morte Oval (2001).

Sua passagem causou enorme tristeza nos amigos que lembraram de sua generosidade com os focas e seu enorme amor pela cultura e pelas letras, especialmente de Ipatinga, cidade que adotou para viver e aonde formou sua família.
Em função da pandemia, não houve velório, mas um cortejo seguiu o corpo de Nivaldo até o Cemitério Parque Senhora da Paz, em Ipatinga. Nivaldo deixa a esposa Maria Alice e três filhos, Anelise, Andressa e Francisco, já falecido.

Confiram depoimentos de amigos

Pessoa de um coração imenso, Nivaldo deixou a marca da generosidade também na sua vida profissional. Era um jornalista sempre disposto a compartilhar saberes, a oferecer ajudar a quem precisasse e a realizar projetos em prol da sociedade. Curioso, inquieto e superativo, inspirava muito com sua grande dedicação ao jornalismo e com seu zelo com as palavras. Um profissional e amigo que será lembrado sempre com profundo carinho e respeito.
Thais Dutra – Assessoria de imprensa do MPMG

Conheci o Nivaldo em 1991, logo no começo de minha caminhada. Ele ouvia os noticiários da Eldorado FM e elogiava meu estilo. E claro, foi logo me dando dicas preciosas, lembrando do seu começo em São João Del Rey e depois pelo período que passou no RJ, onde trabalhou com Carlos Monforte, não lembro se na rádio Mundial (860) ou Jornal do Brasil (940). E ele me disse para ouvir essas emissoras de madrugada, pois o sinal delas chegava aqui e tinha muita coisa que poderia servir para a Eldorado. E ela estava certo.

Ao longo de todos esses anos não tive o privilégio de trabalhar com ele na mesma redação, mas sempre nos encontrávamos, trocávamos ideias, jogávamos conversa fora, etc. Me lembro de seu drama com a doença do filho mais novo. Dos relatos que ele fazia do tratamento no Facebook, dos avanços, dos retrocessos e de quando o garoto foi vencido pelo câncer. Não me lembro da última vez que nos encontramos, mas ficará em minha mente e coração a lembrança de um companheiro e colega maravilhoso. Que Deus o receba em sua Glória!
Marcelo Luciano – Jornalista do Portal Negócios Já

Nivaldo sempre foi um ser humano sincero, verdadeiro; um amigo leal,mestre humilde de conselhos e palavras intensas, certeiras e bem-humoradas; com um olhar especial sobre a vida e uma capacidade bela de compartilhar.
Rudson Vieira, assessor de imprensa da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Ipatinga (AAPI).

Veja também

SJPMG repudia censura imposta pela Rádio Favela ao professor Dirceu Greco, médico pioneiro na luta contra a AIDS

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (SJPMG) manifesta sua total solidariedade ao professor ...

Um comentário

  1. Nivaldo deu sua contribuição em defesa da vida, em favor da promoção da saúde. Ajudou a contar pro mundo o quanto é necessário se proteger do novo vírus que o colocou na lista dos bons que se foram. Nivaldo deixa uma saudade boa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *