TRT reconhece por unanimidade ilegalidade da redução salarial dos jornalistas da TV Alterosa e Estado de Minas

A Quinta Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) julgou ilegal, por unanimidade, a redução salarial feita pelos Associados Minas (TV Alterosa e jornal Estado de Minas) há cinco anos. A Corte também reconheceu, por unanimidade, a existência de um grupo econômico formado por todas as empresas dos Associados no Brasil. A decisão foi tomada ao julgar recurso apresentado pela empresa contra sentença da Justiça de primeira instância, favorável à ação movida pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais.

O voto do relator, desembargador Oswaldo Tadeu Barbosa Guedes, foi seguido por toda a turma, apesar da falsa alegação da defesa dos Associados de que a redução aconteceu por desejo dos jornalistas. A defesa ainda alegou que o Sindicato da categoria “impôs sua vontade tirana aos jornalistas”.

Outro argumento apresentado – e rejeitado pelos desembargadores – é que as horas cortadas na jornadas eram horas extras e não pré-contratadas como defendeu o sindicato. Nenhum dos argumentos teve guarida no TRT. Para o relator, o que houve foi redução de jornada e não supressão de horas-extras, além de uma tentativa de “manipular” o interesse dos empregados.

Em abril de 2016, o jornal reduziu o salário de todos os jornalistas e dos trabalhadores da administração em 30% e ainda coagiu os funcionários a assinar um documento dizendo que “preocupados” com a manutenção dos empregos os jornalistas e funcionários da administração procuraram espontaneamente a empresa propondo a redução na jornada e salário. Nem ao menos a contrapartida de estabilidade foi oferecida para minimizar os impactos de um corte tão grande e feito de maneira desrespeitosa. De acordo com a defesa dos Associados Minas, a causa está calculada em cerca de R$ 35 milhões.

Oito meses depois, às vésperas do Natal, a TV Alterosa e o jornal Estado de Minas demitiram cerca de 130 trabalhadores com o acerto rescisório 30% menor. Entre os demitidos havia funcionários com mais de três décadas de trabalho prestados ao grupo.

“Esse reconhecimento da ilegalidade da redução e do grupo econômico é fundamental para que os jornalistas possam ter a chance de receber os valores devidos pelo corte ilegal de salários feito sob coação há cinco anos”, destaca a presidente do SJPMG, Alessandra Mello, que acompanhou o julgamento. SE os Associados Minas não pagarem o débito, o sindicato pode cobrar de outras empresas do grupo.

Além disso, destaca a presidente, é uma vitória importante que serve de alerta para outros veículos que pretendem cometer a mesma ilegalidade. Em janeiro, o jornal Hoje Em Dia, de propriedade do ex-prefeito de Montes Claros, Ruy Muniz, cortou pela metade o salários de todos os jornalistas, repetindo a mesma prática ilegal dos Associados Minas.

Recentemente, em ação movida pelo Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, o Supremo reconheceu as duas horas como extensão de jornada e não como hora extra e julgou ilegal a redução. O TRT também reconheceu em 2020 a ilegalidade da redução salarial dos trabalhadores da administração dos Diários Associados.

Veja também

Trabalhadores de emissora pública mineira querem volta ao teletrabalho por causa de explosão de casos de covid

Os trabalhadores da Rádio Inconfidência têm vivido dias de muita angústia, em razão de iminente ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *