SJPMG, 75 anos de luta incessante: rumo ao futuro!

Fundado no dia 6 de setembro de 1945, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais acaba de fazer 75 anos. Diferentemente do aniversário de 70 anos, comemorado com uma série de eventos, entre eles uma sessão especial da Assembleia Legislativa, os três quartos de século do SJPMG foram completados numa conjuntura excepcional, adversa, em consequência da pandemia do novo coronavírus, mas também de uma espécie de doença que começou com o golpe de 2016 e nos últimos anos foi devastadora para a democracia, o sindicalismo e os trabalhadores brasileiros. Censura, perseguição a jornalistas, disseminação de informações falsas, corte de direitos trabalhistas, eliminação das fontes de renda dos sindicatos, desmonte do Estado são alguns dos retrocessos que não faziam parte da vida brasileira há cinco anos e que se tornaram realidade em 2020.

Uma coisa, no entanto, não mudou nem mesmo com o golpe, nem mesmo com a pandemia: o SJPMG continua atuante como sempre, em defesa dos jornalistas e do jornalismo.

Desde a reforma trabalhista do governo Temer, o SJPMG depende exclusivamente dos jornalistas para sobreviver. Mesmo fazendo todos os cortes de despesas possíveis, e ainda privado de fontes de receita como bazares e aluguel do espaço cultural, por causa do isolamento social, o Sindicato continua lutando bravamente, apelando para o apoio de todos os jornalistas – associados, recém-formados, aposentados, estudantes –, para não deixar de funcionar, nem deixar sem amparo uma categoria cada vez mais imprescindível para o país.

Provas da luta incansável do SJPMG são as várias atividades realizadas com sucesso e reconhecimento durante a pandemia, como o Curso Livre de Jornalismo, a série de debates Jornalistas Ao Vivo, a inauguração da seção ‘Para não dizer que não falei de crônicas’, a dinamização da comunicação nas redes sociais, as campanhas de filiação e de pagamento da Anuidade 2020, além da eleição da nova diretoria para o triênio 2020-2023 e das ações sindicais propriamente ditas, como a proteção dos jornalistas em teletrabalho e nas redações, a assinatura de Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho.

Neste aniversário de 75 anos, os jornalistas mineiros unidos em torno do seu sindicato começam a ver luz no fim do longo e inesperado túnel de retrocessos. Embora os momentos tenebrosos não tenham terminado, a consciência democrática começa a dar frutos, como a indicar que o pior já passou, que o jornalismo vai sobreviver revigorado e que o sindicalismo começa uma nova fase. Juntos, em defesa do jornalismo e da democracia, é a ideia que floresce na categoria nesta primavera de 2020.

O SJPMG se reinventa como sindicato que depende apenas dos jornalistas e como expressão das transformações pelas quais passa o jornalismo. Na sua atuação, defende não só os jornalistas assalariados, em confrontos inevitáveis e negociações firmes com seus patrões, convenções e acordos coletivos, ações na enfraquecida justiça do trabalho, intervenções junto à frágil secretaria e ao vigilante ministério público do trabalho.

O SJPMG se move também em defesa dos jornalistas do serviço público, numa época em que o jornalismo é claramente um serviço público essencial, e dos jornalistas autônomos, freelancers, numa conjuntura em que o emprego reflui e novas formas de relações de trabalho surgem e se expandem.

Nesses 75 anos, o SJPMG enfrentou muitas batalhas, teve muitas vitórias e lutou incessantemente. Os feitos marcantes nessa caminhada de sete décadas e meia são numerosos, desde seu começo, no fim da ditadura do Estado Novo, passando pelas duas décadas de democracia, mais 21 de ditadura militar e os 31 anos de redemocratização, no mais longo período democrático da história do Brasil.

Agora, quando novamente as liberdades e os direitos democráticos estão sendo golpeados e os trabalhadores resistem, os jornalistas estão, como sempre, na linha de frente de defesa da democracia, da liberdade e do jornalismo. Porque, sabemos, mais do que nunca, que não há democracia sem jornalismo e não há informação de qualidade sem jornalistas profissionais.

 

(Na foto, o painel “A Imprensa – Guerra e Paz”, de Yara Tupybambá, patrimônio e marca do SJPMG, pintado em 1966 e restaurando em 2017.)

 

[15/10/20]

 

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *