Recomendações de segurança do CPJ: Cobrindo o surto de coronavírus

Atualizado em 9 de março de 2020.

O vírus Covid-19 (também conhecido como novo coronavírus) agora está presente em todos os continentes, exceto na Antártica, com casos confirmados e transmissão contínua em mais de 100 países, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A OMS proclamou a epidemia como uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional em 31 de janeiro de 2020 e elevou sua avaliação de risco global de “alta” para “muito alta” em 28 de fevereiro de 2020, segundo as informações da imprensa.

Um número crescente de países impôs restrições de viagem a certas nacionalidades, de acordo com o Trip.com, enquanto certas áreas fortemente afetadas foram completamente fechadas, de acordo com reportagem da BBC. Um mapa da OMS atualizado regularmente, mostrando a distribuição global de casos, pode ser visto aqui.

À medida que a situação evolui e novas informações surgem, conselhos de saúde atualizados e notícias sobre surtos serão emitidos pelas autoridades competentes. Para manter-se atualizado, os jornalistas que cobrem a epidemia devem monitorar a OMS, os Centros de Controle de Doenças (CDC) dos EUA e o Serviço Público de Saúde do Reino Unido (PHE).

Os jornalistas que planejam cobrir a epidemia de Covid-19 devem considerar as seguintes informações de segurança:

Pré-cobertura

• De acordo com o CDC, idosos e indivíduos com condições crônicas de saúde são considerados de alto risco. Se você se enquadra nessa categoria, considere não participar da cobertura se o risco de exposição for significativo

• Pesquise a situação de segurança mais recente em seu destino. Até o momento, houve incidentes violentos isolados em Chipre, Ilha da Reunião e Ucrânia, e exacerbação dos protestos que já vinham ocorrendo no Iraque e Hong Kong pelo surto de Covid-19

• Houve casos de ataques racistas contra certas nacionalidades, de acordo com o BuzzFeed, um fator a considerar ao designar funcionários para qualquer pauta. Níveis crescentes de hostilidade e preconceito também devem ser levados em consideração

• Verifique regularmente o status de qualquer evento que possa vir a participar, levando em conta que países como França e Suíça proibiram reuniões públicas com mais de mil pessoas

• Esteja ciente da desinformação, tema sobre o qual a OMS alertou especificamente e que a BBC destacou

• Preste atenção à sua segurança digital, observando que fraudadores e hackers estão enviando e-mails de phishing relacionados ao Covid-19 focados em várias pessoas, segundo a Norton, empresa de segurança cibernética

• Antes de viajar para um país afetado, verifique se todas as vacinas e profilaxias relevantes estão atualizadas para o seu destino. Considere tomar a vacina contra a gripe para evitar confusão sobre quaisquer sintomas que você possa desenvolver

• Discuta quais planos sua equipe de gerenciamento possui para ajudá-lo e apoiá-lo, se você ficar doente durante a cobertura

• Avalie quais suprimentos você pode precisar levar consigo. Foram relatados escassez de certos itens, além de incidentes de compras motivadas pelo pânico, incluindo a de máscaras, desinfetantes para as mãos, sabão, alimentos enlatados e papel higiênico

• Leve em conta o potencial impacto psicológico de informar de uma área afetada pelo Covid-19, especialmente se estiver noticiando de uma instalação médica, de um local de isolamento ou zona de quarentena. Um recurso útil para profissionais da mídia que cobrem situações traumáticas pode ser encontrado no Dart Center for Journalism and Trauma

• Os membros de sua família podem ficar preocupados e estressados ​​com esse tipo de cobertura. Converse com eles sobre os riscos e as preocupações que sentem. Se necessário, converse com seus familiares e os consultores médicos da sua organização. Esteja ciente de que algumas organizações e empregadores aumentaram seu nível de preparação para a evacuação de qualquer funcionário baseado nos países afetados.

Clique AQUI para ler a íntegra.

(Publicado pelo Committee tor Protect Journalists.)

Foto: Policiais e soldados verificam passageiros saindo da principal estação ferroviária de Milão, na Itália, em 9 de março de 2020. O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte assinou um decreto de quarentena em 8 de março para a região norte do país, na tentativa de impedir a propagação do novo coronavírus. (Claudio Furlan/LaPresse via AP)

[17/3/20]

 

Veja também

FIJ solidariza-se com a Fenaj, os jornalistas e os brasileiros

A Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) publicou, na última quarta-feira (25/3), nota em solidariedade aos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *