Ataques de Bolsonaro à imprensa já são 111

Por Márcio Garoni

O presidente Jair Bolsonaro chega ao mês de dezembro completando 111 ataques à imprensa, de acordo com monitoramento da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) para o período de 1º de janeiro a 30 de novembro deste ano. Somente no último mês foram 12 ocorrências, todas categorizadas como “descredibilização da imprensa”. Em onze meses como chefe de Estado, Bolsonaro faz um ataque à imprensa a cada três dias, em média.

O mapeamento vem sendo realizado pela Fenaj, que passou a monitorar mês a mês as declarações do presidente com relação à imprensa e ao trabalho jornalístico. A federação leva em conta os discursos e entrevistas oficiais, que constam no site do Planalto, além dos textos postados no twitter de Jair Bolsonaro. Nesse monitoramento, não são levados em consideração os conteúdos de pronunciamentos em vídeo, como lives transmitidas pelo presidente.

De janeiro a novembro, Bolsonaro chega à soma de 100 ataques classificados como “descredibilização da imprensa”, e 11 declarações categorizadas como “ataque a jornalista”. Pelo twitter, no dia 22 de novembro, o presidente tentou deslegitimar o trabalho jornalístico ao dizer que “um veículo de imprensa qualquer faz sua análise e divulga suas mentiras”.

Por diversas vezes, Bolsonaro refere-se à imprensa como adversária, como no dia 23 do mês passado, quando afirmou em discurso que “se a imprensa bateu, é sinal que o discurso foi bom”. No dia 27, em Manaus, o presidente falou novamente sobre a campanha eleitoral de 2018, dizendo que grande parte da mídia o fustigou com “mentiras, com calúnias ou com fake news”.

Para a Fenaj, os ataques de Jair Bolsonaro à imprensa são uma forma do presidente incitar seus seguidores a não confiarem no trabalho jornalístico da maioria dos veículos e dos profissionais, principalmente quando se divulgam notícias críticas ao governo, ou que envolvam a família Bolsonaro. A entidade reitera que os jornalistas também são vítimas desse comportamento, já que o presidente cria um cenário de hostilidade aos profissionais da imprensa, que por diversas vezes são xingados e ameaçados por apoiadores de Bolsonaro. Situação que pode agravar o comprometimento da liberdade de imprensa no país, e até culminar com agressões físicas a jornalistas. Parte dos ministros de Estado também atacam veículos e profissionais da imprensa, o que sugere um método político para tentar intimidar o trabalho jornalístico.

“Os ataques desmedidos ao trabalho jornalístico são também ataques à democracia. Uma imprensa que fiscalize o poder público, que abra espaço para crítica e para o contraditório é essencial para uma sociedade mais justa, que tenha garantido seu direito à informação. Um chefe de Estado deveria fortalecer esses valores, mas vemos que o presidente faz justamente o contrário”, diz Paula Zarth Padilha, diretora da Fenaj.

Além das declarações contra o trabalho da imprensa, os jornalistas sofreram outro duro ataque neste mês de novembro: a edição da Medida Provisória nº 905, uma verdadeira minirreforma trabalhista, que acaba com o registro profissional dos jornalistas e de outras categorias, como radialistas e publicitários, além de precarizar direitos da classe trabalhadora em geral. Nas últimas semanas, a Fenaj participou da coordenação de assembleias dos sindicatos em todo o Brasil, para tirar mobilizações dos jornalistas junto à sociedade civil, articulação com sindicatos de outras categorias e sensibilização de congressistas para derrubar essa MP.

“São claros ataques contra os jornalistas por parte deste governo, que quer tirar ainda mais direitos dos trabalhadores, mesmo depois da aprovação da Contrarreforma Trabalhista de Temer, e da Reforma da Previdência de Bolsonaro e Paulo Guedes. Por isso, é fundamental a unidade e articulação com as demais entidades da classe trabalhadora para derrubar propostas como essa MP, que não visa gerar empregos, e sim aumentar os lucros dos patrões, em cima do nosso trabalho”, diz Maria José Braga, presidenta da Fenaj.

Clique AQUI para acessar a linha do tempo detalhada.

Clique AQUI para acessar a planilha com os ataques

(Publicado pela Fenaj.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[2/12/19]

 

Veja também

Atingidos pela Samarco dão entrevista coletiva nesta sexta 6/12 sobre contaminação da água, do ar e do solo

Moradores de comunidades atingidas pela lama da Samarco (Vale e BHP), de Mariana e de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *