Vice-presidente do SJPMG faz parte da nova direção da Abraji

O vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais, Daniel Camargos, faz parte da nova direção da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) eleita nesta terça-feira 26/11. Ele integra o Conselho Fiscal.

Repórter investigativo na Repórter Brasil desde 2018, Daniel Camargos vive em Belo Horizonte. Trabalhou nos jornais Folha de S. Paulo, Estado de Minas e O Tempo. Publicou em veículos nacionais e estrangeiros, como The Guardian, BBC, Al Jazeera, El País, piauí, Estado de S. Paulo, UOL, R7, Vice, Carta Capital, Caros Amigos, Brasil de Fato e Auto Esporte.

A nova diretoria comandará a Abraji no biênio 2020-2021. Ao todo são 14 jornalistas; o presidente é Marcelo Träsel e o vice, Guilherme Amado. Em carta enviada aos associados, Träsel disse que o objetivo da nova direção é trabalhar em prol dos três pilares da Abraji: formação continuada de jornalistas, liberdade de expressão e acesso à informação.

“Estamos assumindo o desafio de manter o bom desempenho das gestões anteriores e ampliar a atuação de uma entidade que vem crescendo muito em importância nos últimos anos, num contexto inédito de turbulência política e agressões tanto à comunidade jornalística brasileira, quanto à internacional”, afirma o candidato à presidência.

Conheça os integrantes da nova diretoria da Abraji:

Presidente

Marcelo Träsel

Jornalista, reside em Porto Alegre, onde é professor na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma universidade. Doutor em Comunicação Social (PUCRS), criou o curso de especialização em Jornalismo Digital da PUCRS. Pesquisa o jornalismo guiado por dados, o jornalismo investigativo, as redes sociais e a cibercultura.

Vice-presidente

Guilherme Amado

Colunista da revista Época e da Rádio CBN, vive em Brasília. Cobre política e crime organizado em diferentes vertentes desde 2009. Em 2014, recebeu os prêmios Esso e Tim Lopes com a reportagem Os embaixadores do Narcosul. É fellow na Universidade de Stanford, onde estudou colaboração entre jornalistas investigativos, e integra o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ).

Diretoria

Adriana Barsotti

Jornalista residente no Rio de Janeiro, com experiência nas redações de O Estado de S.Paulo, IstoÉ e O Globo, onde ganhou o Prêmio Esso com a série de reportagens A História Secreta da Guerrilha do Araguaia e o prêmio Herzog pela série de reportagens Sem Direitos, via Projeto Colabora. É uma das fundadoras do Projeto #Colabora e professora adjunta do Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS), na UFF. É doutora em Comunicação pela PUC-Rio e autora dos livros Jornalista em mutação: do cão de guarda ao mobilizador de audiência e Uma história da primeira página: do grito no papel ao silêncio no jornalismo em rede.

Amanda Rossi

Jornalista freelancer residente em São Paulo. Trabalhou na BBC News Brasil, na TV Globo e no Estadão, onde participou da equipe Estadão Dados. É autora do livro-reportagem Moçambique, o Brasil é aqui, sobre as relações do Brasil com a África, finalista do Prêmio Jabuti 2016. Em 2018, foi agraciada com a menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog.

Juan Torres

Coordenador de Inovação do jornal Correio, em Salvador, integra também a equipe da Escola de Dados. Foi fellow ICFJ no programa Caminho Digital para Empreendedorismo e Inovação na América Latina e atuou no The Texas Tribune. Tem passagens também pelo diário Marca (Madri), Globesporte.com e Extra (RJ). Já teve trabalhos reconhecidos nos prêmios Data Journalism Awards, Esso, Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, Prêmio Petrobrás de Jornalismo, INMA Global Media, Latam Digital Media, Kurt Schork e Newsawards.

Katia Brembatti

Trabalha desde 2004 como repórter na Gazeta do Povo em Curitiba e desde 2013 é professora de Jornalismo na Universidade Positivo. Jornalista formada pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Com a série Diários Secretos, juntamente com três colegas, venceu o Grande Prêmio Esso, o Tim Lopes de Jornalismo Investigativo/Embratel, o Prêmio Ipys de reportagem investigativa da América Latina e o Global Shining Light Award. Com atuação nas áreas de cobertura de meio ambiente e judiciário, também venceu o prêmio SOS Mata Atlântica e da Associação dos Magistrados do Brasil.

Luiz Fernando Toledo

Jornalista especializado em transparência pública, reside em São Paulo e faz mestrado em administração pública pela FGV-SP. Trabalhou no Estadão, Estadão Dados (2013 – 2018) e TV Globo (2019). É um dos criadores do Fiquem Sabendo, agência de dados especializada na Lei de Acesso à Informação (LAI). Foi repórter visitante na ProPublica em 2018.

Natalia Mazotte

Natália Mazotte é John S. Knight fellow em Stanford (EUA), onde atualmente estuda como superar desertos de dados em nível local. Antes, foi diretora-executiva da Open Knowledge Brasil, onde liderou projetos de inovação cívica e capacitação em uso de dados. Cofundadora da Gênero e Número, startup de jornalismo de dados com foco em gênero, e criou a primeira conferência brasileira de jornalismo de dados e métodos digitais (Coda.Br). É professora da pós em Jornalismo Digital da PUC-RS e do MBA Web Intelligence da Coppe/UFRJ e instrutora em cursos massivos do Centro Knight, da Universidade do Texas. Possui mestrado em Comunicação pela UFRJ e pós-graduação em Estratégia Digital pela Pompeu Fabra (Espanha).

Patrícia Campos Melo

Repórter especial e colunista da Folha de S. Paulo, vive na capital paulista. Foi vencedora do Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa do CPJ, do prêmio especial Vladimir Herzog, do prêmio Internacional de Jornalismo do Rei da Espanha, entre outros. É formada em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e tem mestrado em Business and Economic Reporting pela Universidade de Nova York. É autora dos livros Lua de Mel em Kobane e Índia, da miséria à potência. Foi correspondente em Washington do jornal Estado de S. Paulo de 2006 a 2010.

Sérgio Spagnuolo

Jornalista residente em São Paulo, fundador e editor da agência Volt Data Lab e editor de dados do saite Vortex Media, além de mestre em Relações Internacionais e Direitos Humanos pela PUC-SP. Em 2016, foi fellow do Tow-Knight Center for Entrepreneurial Journalism, um programa de empreendedorismo para jornalistas, em Nova York e fellow, em 2018/2019 do International Center for Journalists, no programa TruthBuzz. Também trabalhou como editor e consultor da agência de checagens Aos Fatos.

Thays Lavor

A partir de Fortaleza, atua como freelancer para veículos nacionais e internacionais, trabalha com jornalismo investigativo e de dados, e tem suas principais coberturas ligadas à área de direitos humanos. Em 2015, foi finalista do Prêmio Roche de Periodismo en Salud, e em 2013, recebeu menção honrosa no 8º Prêmio Sindhrio de jornalismo e Saúde. Jornalista formada pela Universidade de Fortaleza (Unifor), atualmente é mestranda em comunicação da Universidade Federal do Ceará (UFC) e integrante do grupos de pesquisa Praxisjor (Ppgcom/UFC) e Arida (Advanced Research in Database/UFC).

Conselho fiscal

Daniel Camargos

Repórter investigativo na Repórter Brasil desde 2018, vive em Belo Horizonte. Trabalhou nos jornais Folha de São Paulo, Estado de Minas e O Tempo. Publicou em diversos veículos (The Guardian, BBC, Al Jazeera, El País, revista Piauí, Estado de São Paulo, UOL, R7, Vice, Carta Capital, Caros Amigos, Brasil de Fato e Auto Esporte). É vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais (2017-2020).

Maiá Menezes

Repórter especial de O Globo no Rio de Janeiro. Formada em Jornalismo pela UFRJ, tem pós-graduação em Políticas Públicas. Atuou como repórter nos jornais O Dia e O Globo. Ganhou prêmios jornalísticos como o CNT, o Esso, o Rei de Espanha e o Ipys. Cobriu administração pública e política na maior parte da carreira.

Vladimir Netto

Repórter da Rede Globo em Brasília. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), passou pelas redações de Jornal do Brasil, Veja, iG e O Globo. Nos últimos anos, recebeu diversos prêmios, entre eles o de melhor matéria do ano do Jornal Hoje por revelar as provas das contas secretas do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, no exterior. Em 2016, lançou o livro Lava Jato: o juiz Sérgio Moro e os bastidores da operação que abalou o Brasil. O livro foi o mais vendido do ano na categoria não ficção e inspirou a série O Mecanismo, da Netflix, dirigida pelo cineasta brasileiro José Padilha.

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[27/11/19]

 

Veja também

Atingidos pela Samarco dão entrevista coletiva nesta sexta 6/12 sobre contaminação da água, do ar e do solo

Moradores de comunidades atingidas pela lama da Samarco (Vale e BHP), de Mariana e de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *