Mudanças na Rede Minas de Televisão

O ambiente na Rede Minas é de tristeza e desânimo. Ontem foi o último dia do presidente da Fundação Rede Minas, Kiko Ferreira, no cargo. A partir desta quinta 14/11, o presidente da Rádio Inconfidência, Ronan Scoralick, braço direito do secretário de estado da Cultura e Turismo, Marcelo Matte, acumulará o cargo, como presidente da Empresa Mineira de Comunicação (EMC), e responderá pelas duas emissoras.

São esperados cortes na diretoria.

Os últimos dias foram sufocantes para os trabalhadores da Rede Minas, pois a diretoria, na iminência da demissão, quis mostrar serviço.

Novas temporadas de programas estão sendo lançadas a toque de caixa, com pessoal insuficiente e cobrança exagerada. Por compromisso com a comunicação pública, os jornalistas são obrigados a trabalhar em diversas funções e vários programas, sob pena de os mesmos não irem ao ar.

O jeito Zema de governar é assim; não tem diálogo, corta pessoal e mata de trabalhar os que ficam.

Diante desse quadro desolador, a disposição dos servidores para lutar minguou. Uns estão desacreditados, outros estão apáticos e há até aqueles que brigam entre si, por estresse. Afinal, as demandas são muitas para tão poucos braços, e a cobrança é enorme. São muitas opiniões, muitas ordens, muito controle, muita vigilância e pouco autonomia de trabalho.

Em momentos assim, a união e ação coletiva são fundamentais.

Precisamos nos mobilizar.

Pela lei do plano de carreira, pela defesa da Rede Minas e da Rádio Inconfidência, pela comunicação pública, por condições de trabalho e salários dignos.

A comunicação pública não é um brinquedo que o governante descarta se não gosta dela, desprezando o direito da população de se informar. A Rede Minas e a Rádio Inconfidência são patrimônios dos mineiros e não podem ser simplesmente sucateadas.

Luta, jornalista!

Em defesa da comunicação pública!

Em defesa da Rede Minas e da Rádio Inconfidência!

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[14/11/19]

 

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Um comentário

  1. Um excelente serviço prestado aos mineiros, mas que nunca foi valorizado.
    Que saudades de Cesar Vanucci, Cristina Mendes, Lester Moreira, Antônio José, Antonio Achillis, colegas que impulsionaram o trabalho da Rede Minas, valorizando os profissionais de todas as áreas.

Deixe uma resposta para Maria da Glória Metzker Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *