Após mobilização de jornalistas e radialistas, Rede TV recua do corte de horas extras e salários

Jornalistas e radialistas da RedeTV conseguiram nesta quarta-feira 23/10 uma importante vitória: a emissora recuou na redução dos salários em cerca de 43%, para jornalistas, e de 40%, para radialistas, medida anunciada no fim da semana passada.

Mobilizadas pelos seus respectivos sindicatos, as categorias planejaram uma reação conjunta à ofensiva patronal. A articulação dos trabalhadores das praças do município do Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo foi fundamental para que a direção da empresa anunciasse, em comunicado interno veiculado na tarde de hoje, que reavaliou e retirou a determinação de suspender as horas extras.

O corte das horas extraordinárias foi anunciado pelas chefias aos trabalhadores na noite de sexta-feira 18/10, sem qualquer negociação prévia com os sindicatos laborais, sob o argumento de “equalizar o orçamento à atual realidade do mercado, que encontra-se em retração”. As duas horas extras laboradas habitualmente eram responsáveis por aumentar o valores nos contracheques dos jornalistas e radialistas. Com as mudanças, alguns deles devem passariam a receber o salário abaixo do piso determinado para São Paulo, que é de R$2.528,27.

Após serem informados pelas bases da alteração unilateral da jornada de trabalho, os Sindicatos de Jornalistas das praças de São Paulo, Município do Rio de Janeiro, Distrito Federal, Minas Gerais e Ceará passaram a levantar mais informações oficiais. O Sindicato dos Jornalistas de SP, imediatamente, oficiou a direção da emissora, solicitando reunião e realizou um ato na frente da emissora, na segunda-feira 21/10, junto com o Sindicato dos Radialistas de SP. Na sequência, em assembleia geral conjunta com os radialistas, realizada ontem 22/10, os trabalhadores aprovaram estado de greve. Nos demais estados, foram convocadas assembleias para discussão da situação com a categoria.

Prontificando-se a negociar a qualquer momento, a direção do Sindicato dos Jornalistas de SP entregou o aviso do estado de greve à emissora, reiterando que os trabalhadores deliberaram por uma possível paralisação na quinta-feira 24/10, caso não fosse revista a determinação que reduziria os salários. A rápida mobilização conjunta de jornalistas e radialistas funcionou para que a RedeTV recuasse na adoção da medida.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP), Paulo Zocchi, vice-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), reiterou que redução de salário é ilegal e apontou que a jornada habitual praticada pelos profissionais era de sete ou mais horas de trabalho, para os jornalistas, e de oito ou mais horas para os radialistas. Ele avalia que o movimento saiu vitorioso, mas alerta os jornalistas para que continuem vigilantes e em estado de atenção, pois a empresa pode adotar outras medidas que afetem a categoria.

Para Paulo Zocchi, é a organização dos jornalistas a partir dos locais de trabalho que fortalece a luta, defende direitos e garante conquistas como a manutenção dos salários diante de uma ameaça de redução como a proposta pela RedeTV. É com a participação da categoria por meio da sindicalização que o Sindicato sobrevive e assegura conquistas.

(Publicado pela Fenaj.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[25/10/19]

 

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *