Monsanto atuou para desacreditar jornalistas e ativistas, revela The Guardian

Por SAM LEVIN, The Guardian.

A Monsanto operou um “centro de fusão” para monitorar e desacreditar jornalistas e ativistas, e teve como alvo um repórter que escreveu um livro crítico sobre a empresa, revelam documentos. A empresa de agrotóxicos também investigou o cantor Neil Young e escreveu um memorando interno sobre sua atividade de mídia social e música.

Os registros revisados ​​pelo The Guardian mostram que a Monsanto adotou uma estratégia multifacetada para atacar Carey Gillam, um jornalista da Reuters que investigou o herbicida da empresa e suas ligações com o câncer. A Monsanto, agora pertencente à empresa farmacêutica alemã Bayer, também monitorou uma organização de pesquisa de alimentos sem fins lucrativos através de seu “centro de fusão de inteligência”, um termo que o FBI e outras agências de segurança usam para operações focadas em vigilância e terrorismo.

Clique AQUI para ler o original em inglês.

(Publicado pelo The Guardian.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[8/8/19]

Veja também

Curta sobre ‘Grande Sertão: Veredas’ produzido por jornalista será exibido dia 27/11

Cursos Pontos de Vista (Rua Leopoldina, 626, Santo Antônio) exibe no dia 27/11, quarta-feira, às ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *