Jornalista lidera campanha pela ampliação do Teste do Pezinho. Assine a petição

Você sabia que o famoso Teste do Pezinho, feito nos primeiros dias de vida do bebê, pode detectar mais de 50 doenças graves, mas no Brasil ele detecta apenas 6? A jornalista Larissa Carvalho, repórter da Rede Globo, descobriu isso da forma mais dolorosa possível, quando Théo, seu segundo filho, tinha um ano e dez meses de idade.

Depois de mais de um ano tentando descobrir por que Théo não se desenvolvia normalmente, insatisfeita com o diagnóstico, correndo de médico em médico, exame após exame, ela descobriu que seu filho tinha acidúria glutárica, uma doença rara que o torna intolerante a proteína. Durante um ano e dez meses Théo tinha consumido proteínas que mataram seus neurônios. Se a doença fosse detectada no Teste do Pezinho, isso não teria acontecido, Théo e milhares de outras crianças seriam brasileiros saudáveis.

Em países como os Estados Unidos, o Teste do Pezinho detecta 58 doenças; em Portugal, 54; na Bolívia, 21; na Costa Rica, 17. No Brasil, porém, o teste disponível no SUS está obsoleto, precisa ser substituídos por outro mais moderno. Os governos federal, estaduais e municipais sabem disso, os médicos também. No entanto, os governos consideram muito dispendiosa a troca dos equipamentos e não agem.

Pior do que isso: as gestantes sequer são informadas de que existem testes na rede particular, que, embora caros, podem lhe proporcionar um bem que não tem preço. E evitar que seus filhos adoeçam, fiquem com sequelas e até morram.

A acidúria glutárica, por exemplo, provoca a intoxicação gradativa dos neurônios e leva à morte. A partir do momento em que a deficiência foi detectada, e Théo parou de consumir proteína, a intoxicação parou, mas o prejuízo já tinha sido feito.

Campanha e petição

Saber que seu filho sofre por uma razão que poderia ter sido evitada, que em outras nações o é, provoca indignação e revolta. Larissa transformou sua dor em compaixão e dedica-se a evitar que outra crianças e outras mães sofram como Théo e ela. A toda grávida que encontra, ela transmite essa informação e alerta: “Não é só falta de oxigênio que causa paralisia cerebral, pode ser acidúria glutárica”.

Larissa conta que teve uma gravidez normal e parto cesáreo normal. Ao nascer, Théo obteve nota 9 em 10, no teste de Apgar, o que significa um bebê saudável. Por isso ela não aceitou o diagnóstico de que os problemas apresentados por Théo fossem decorrentes de asfixia.

Quando ele tinha um ano e dez meses, finalmente, um exame levou ao diagnóstico correto: Théo era portador de acidúria glutárica, doença rara, de origem genética, que afeta um recém-nascido em 30 mil. Ele era saudável até começar a se alimentar do leite materno, a partir da primeira mamada, e de outras proteínas que mataram seus neurônios. Desde então, sua alimentação é rigorosamente controlada e não pode ultrapassar 10 gramas de proteína por dia.

Há dois anos, Larissa uniu seus esforços aos do Instituto Vidas Raras na campanha para que o Teste do Pezinho seja ampliado. Uma petição disponível na internet pretende alcançar 1 milhão de assinaturas a favor da iniciativa, número necessário para propor um Projeto de Lei (PL) de iniciativa popular ao Congresso Nacional.

Para assinar a petição, clique aqui: https://pezinhonofuturo.com.br/.

Teste obrigatório

O Teste do Pezinho é um exame obrigatório para todos os recém-nascidos e gratuito na rede pública de saúde. Ele faz parte do Programa Nacional de Triagem Neonatal do Sistema Único de Saúde (SUS). Existe até um Dia Nacional do Teste do Pezinho: 6 de junho. Anualmente, em média, 2,4 milhões de recém-nascidos (80% do total de 3 milhões) fazem o teste pelo SUS. Laboratórios particulares oferecem testes mais amplos, pagos.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2017, realizaram o teste até o quinto dia de vida 53,51% dos bebês;18,27%, entre 6º e o 8º dia; 12,77%, entre 9º e o 15º dia; 8,2%, entre o 15º e o 30º dia; e 4,53% após 30 dias de vida. O ideal é que o exame seja feito entre o 3º e o 5º dia de vida do bebê, por causa do início muito rápido dos sinais e sintomas de três das seis doenças detectadas, como o hipotireoidismo congênito, hiperplasia adrenal congênita e fenilcetonúria.

O mesmo acontece com a acidúria glutárica, que no entanto não é detectada pelo teste atual, assim como dezenas de outras doenças.

Segundo o Ministério da Saúde, em cinco anos, mais de 17 mil recém-nascidos foram diagnosticados com alguma das seis doenças detectáveis pelo Teste do Pezinho oferecido pelo SUS: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, doença falciforme, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita. Hipotireoidismo congênito e a doença falciforme respondem por 77% dos casos.

Poderia ser muito mais, se o teste fosse ampliado.

O próprio Ministério da Saúde, na sua página na internet, ressalta a importância do diagnóstico precoce. “É de vital importância que o diagnóstico seja realizado o mais precocemente possível e assim se possa iniciar o tratamento antes do aparecimento dos sintomas. Todas as doenças investigadas, se diagnosticadas e tratadas em tempo oportuno, podem evitar quadros clínicos graves, como o atraso do desenvolvimento neuropsicomotor e até o óbito”, afirma o coordenador geral de Sangue e Hemoderivados, do Ministério da Saúde, Flávio Vormittag.

No entanto, as autoridades de saúde brasileiras são negligentes em ampliar o Teste do Pezinho.

Você pode apoiar a campanha pela ampliação do Teste do Pezinho assinando a petição. Se puder, seja embaixador ou embaixadora da campanha, baixando o aplicativo “Corrente do Futuro” e coletando assinaturas. Inúmeras crianças poderão ser salvas pelo Teste do Pezinho Ampliado, inclusive seu filho ou filha, ou seu neto ou neta.

Visite a página www.pezinhonofuturo.com.br. Conheça a campanha, leia depoimentos, veja os vídeos.

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[12/8/19]

Veja também

Decisão em segunda instância confirma reintegração dos demitidos da Abril

Trabalhadores demitidos desde julho de 2017 são abrangidos pela decisão judicial. Por Adriana Franco, Sindicato ...

Um comentário

  1. Perfeito!

    Gratidão , Carlos e Alessandra!

    Cada assinatura vale ouro! Quanto mais gente souber, menos crianças presas a uma cadeira de rodas teremos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *