Glenn Greenwald: conteúdo justifica vazamento de conversas entre Moro e Deltan

O jornalista norte-americano Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept Brasil, que publicou vazamentos de mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro e o procurador da operação Lava Jato Deltan Dallangnol, disse em entrevista ao programa Faixa Livre, da Rádio Bandeirantes, que a importância do conteúdo das conversas justifica sua divulgação, mesmo que tenham sido obtidas de forma ilegal. Ele disse que, ao criticar a fonte, Moro e Deltan tentam desviar o olhar do público do comportamento “totalmente errado” que tiveram, e chamou atenção para o fato de que nem um nem outro negou a autenticidade das mensagens ou se defendeu.

“Eu sou um jornalista que fez muitas vezes reportagens sobre facções poderosas e governos. É sempre a mesma coisa: quando você mostra comportamento, corrupção, qualquer coisa que facções poderosas fizeram, elas sempre tentam distrair, atacando jornalista ou fonte, dizendo que são as vítimas”, disse Greenwald.

Ele disse que é irônico que Moro e Deltan critiquem o vazamento, porque a Lava Jato está usando vazamentos há cinco anos. “Eles usaram os mesmos métodos que agora estão criticando, porque agora estamos usando para divulgar a corrupção deles”, disse o jornalista, citando o vazamento da conversa entre a então presidenta Dilma e o ex-presidente Lula, em 2016.

“Isso é jornalismo”, frisou Greenwald. “Estamos mostrando o que as pessoas mais poderosas nesse país estavam fazendo quando ninguém conseguia ver.”

Ele lembrou que ganhou um Prêmio Esso quando, trabalhando em parceria com Edward Snowden, publicou no Globo e na revista Época material mostrando como o governo e os brasileiros eram vítimas de invasão de privacidade pelo governo dos Estados Unidos. “Estamos fazendo a mesma coisa”, disse o jornalista. “Infelizmente, agora, a grande mídia, com exceção da Folha de S. Paulo, não está fazendo jornalismo sobre a Lava Jato, ela é parceira da Lava Jato”, criticou.

Greenwald disse que no passado sempre apoiou a Lava Jato e que em um evento no Canadá, em 2017, no qual a força-tarefa foi premiada, ele elogiou, em discurso, a operação e teve seu comentário compartilhado por Deltan Dallagnol nas redes sociais. “É impossível falar que o motivo do jornalismo do The Intercept Brasil é atacá-la. O fato é que o trabalho que a força-tarefa já fez é bom, mas eles não têm o direito de quebrar leis, fazer coisas antiéticas, mentir para o público. Esse é o ponto principal que todo mundo precisa entender”, disse.

O jornalista informou que tem muito mais material sobre Moro, Deltan, outros procuradores e juízes, a Lava Jato, mostrando “comportamento que não é certo”. Revelou que o material é muito maior do que o vazado por Snowden, que, naquele momento, foi o maior arquivo já vazado, mas que The Intercept está tendo muita cautela na divulgação.

“O Deltan e o Moro mentiram explicitamente muitas vezes para o público, negando esses documentos que mostram que eles estavam o tempo todo juntos para construir o processo de acusações, que depois Moro julgou fingindo que era justo”, disse.

(Com informações do programa Faixa Livre.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[11/6/19]

 

Veja também

Decisão em segunda instância confirma reintegração dos demitidos da Abril

Trabalhadores demitidos desde julho de 2017 são abrangidos pela decisão judicial. Por Adriana Franco, Sindicato ...

Um comentário

  1. Mas é claro que justifica, e mais ainda a sua interpretação a quem não saiba ou entenda do que se trata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *