Patrões e deputados discutem regulação das plataformas digitais

Deputados e representantes de empresas de comunicação debateram no dia 21/5 formas de regular as plataformas digitais e lidar com as fake news. O debate aconteceu na 13ª Conferência Legislativa sobre Liberdade de Expressão, realizada pela Câmara dos Deputados em parceria com o Instituto Palavra Aberta, mantido pela Associação Nacional de Jornais (ANJ), Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) e Associação Brasileira de Agências de Propaganda (Apap). O tema do encontro foi “Liberdade de imprensa e responsabilidade”.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), secretário de Participação Social, Interação e Mídias Digitais da Câmara, defendeu a regulação de plataformas digitais como forma de lidar com fake news. Segundo o parlamentar, a regulação deve garantir a privacidade dos usuários e impedir conteúdos impróprios e discursos de ódio, como vem sendo feito em países da Europa.

O presidente da ANJ, Marcelo Rech, disse que o simples cumprimento da Constituição é capaz de combater as fake news, pois ela estabelece que é livre a manifestação de pensamento, sendo vedado o anonimato. “Se a legislação fosse cumprida, os robôs nas redes sociais seriam eliminados”, denunciou.

Ele acrescentou que alguns países têm optado por aprovar legislações restritivas a redes sociais, como aconteceu na Alemanha e na Austrália, mas ressalvou que “em países em que a democracia ainda não é consolidada, como no Brasil, é complicado abrir portas para o controle da informação”.

O presidente da Abert, Paulo Tonet, disse que as empresas de tecnologia vendem informações e devem se responsabilizar por elas. “Somos responsáveis pelo conteúdo que distribuímos e nada mais justo que nosso concorrente também o seja”, afirmou. Ele lembrou que, quando um veículo profissional erra, quem se sente lesado pode exigir judicialmente a reparação.

O jornalista Fernando Rodrigues, dono do saite Poder 360, concordou com Tonet. Disse que empresas como Facebook e Google querem ser vistas como empresas de tecnologia mas atuam no mercado de comunicação. “Elas não têm as mesmas responsabilidades que as empresas de comunicação e precisam ter”, disse. Ele acrescentou que é preciso fornecer mecanismos para que os usuários diferenciem veículos que praticam jornalismo profissional de outros saites.

A presidente executiva do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, criticou projetos de lei em tramitação na Câmara (PL 6812/17 e apensados) que visam a criminalizar notícias falsas. “Na medida em que você criminaliza algo que você não sabe o que é, você acaba atingindo a própria liberdade de expressão e de imprensa. O que é notícia falsa? O que é uma notícia fraudulenta?”, questionou. Ela defendeu o fortalecimento da imprensa profissional e a educação de professores e alunos para interpretar a mídia como formas de lidar com o cenário de notícias falsas.

Para o presidente da ANJ a defesa da liberdade de expressão e de imprensa no país nunca foi tão relevante. “Há uma progressiva sofisticação dos métodos de tolher a liberdade de expressão”, disse Marcelo Rech, citando a recente censura da revista Crusoé por ministros do Supremo Tribunal Federal, agressões a jornalistas e veículos e o linchamento virtual contra vozes dissonantes.

O deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) citou dados de pesquisa do instituto Datafolha de 2018 segundo os quais 37% dos brasileiros não confiam na imprensa. Ele disse que os veículos precisam ter mais responsabilidade para recuperar a credibilidade.

Clique AQUI para ler a íntegra do PL-6812/2017.

(Com informações do portal Comunique-se e da Câmara dos Deputados. Crédito da foto: Pablo Valadares / CD.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[29/5/19]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *