Governo Zema quer fechar Inconfidência AM e demitir concursados

O governo Zema vai acabar com a Rádio Inconfidência AM e demitir trabalhadores concursados. A lista de demissões já está pronta. Quase um terço dos servidores vai ser demitido. O clima é de tristeza e revolta na empresa.

O Sindicato informa que vai tomar todas as medidas legais para reverter essas demissões. Vai também atuar politicamente, por meio de audiências públicas e manifestações, para impedir o desmonte da emissora pública mineira.

A decisão mostra o desinteresse do governo pela comunicação pública e o desprezo pelos direitos dos servidores públicos. No começo do mês passado, ele cortou drasticamente o custeio da rádio, pondo em risco seu funcionamento.

Nesta sexta-feira 5/4, o comando da rádio chamou duas reuniões com os funcionários, às 11h e às 15h. Não sabemos se os cortes já serão anunciados hoje, pois não foram abertos processos administrativos para as demissões dos concursados.

Já foi anunciado que haverá cortes, que eles serão feitos por meio de processos administrativos e que tudo será feito dentro da legalidade. O governo deve alegar estouro dos limites com pessoal para proceder às demissões. No entanto, a lei determina que os concursados sejam os últimos a ser demitidos.

É o inicio do desmonte também da Rádio Inconfidência FM. O governo Zema deu à emissora prazo até 2020 para ser autossustentável e faturar R$ 3 milhões por ano. Caso a situação financeira, considerada critica, não seja revertida até lá, a rádio ser fechada.

Um dossiê que faz alegações técnicas para o fim do Inconfidência AM foi entregue pela direção anterior da emissora.

A Rádio Inconfidência AM é  mais antiga rádio mineira em operação. Foi fundada há quase 83 anos, no dia 3 de setembro de 1936. Denominada “gigante do ar” e “patrimônio dos mineiros”, teve e continua tendo função essencial na comunicação pública em Minas Gerais.

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[5/4/19]

Veja também

Carteiras de jornalista da Fenaj têm novos preços

Depois de 12 anos sem reajuste, a Fenaj reajustou os valores cobrados para emissão das ...

9 comentários

  1. Maximiliano Anarelli de Souza

    Essa radio é patrimônio dos Mineiros

  2. TEM QUE FAZER UMA ADMINISTRACAO COM RECURSOS DE EMPRESA PRIVADA.NAO SERA DE DIFICIL LARA A RADIO CAPTAR RECURSOS.SO ISSO.NAO PRECISA A CABAR COM A RADIO BASTA PARAR DE CUSTEAR.A RADIO IRA ANDAR COM AS PROPRIAS PERNAS.

  3. Um absurdo o que esse governo está fazendo, espero que essa decisão seja revertida, o gigante do ar é um patrimônio de Minas.

  4. Esses governos são incapazes de criar negócios e gerar empregos que devia ser sua principal meta. Mas para fechar empresas e aumentar o desemprego são ótimos.

  5. Luiz Antônio da Costa

    Romeu vc tem muito mais coisa para te preocupar, essa rádio e patrimônio de Minas, por favor sou seu conterrâneo e trabalhei muito na sua campanha, por favor nao me decepiciona nao ok

  6. Inconfidência AM é sim, antiga. Mas quais de nós, jornalistas, ouvimos a emissora no último ano? A audiência justifica a existência da mesma? Não seria mais racional entender que o Governo de Minas precisa caminhar para uma gestão mais próxima a das empresas privadas, demitindo quem não tem mais espaço ou competência e contratando pessoas adequadas aos cargos? Ficar com paixões políticas, como acontece com o sindicato, de nada adianta. Precisam parar de criticar só porque não é o PT no poder. Se fosse, Pimentel continuaria a inflar as empresas de amigos e políticos que não foram reeleitos. Como fez na Inconfidência e na Rede Minas.

  7. Exatamente isso aí.

    • Prezado, está enganado! O Zema faz a mesma coisa que o PSDB fez em Minas, ao longo dos governos “santos” de aécinho e Anastasia. Pregou o novo e faz o velho, ou seja não entende de administração pública. Entende é de suas empresas, o que é muito diferente de administrar bens públicos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Abra a sua cabeça! O público é nosso e o privado é dele, São ações totalmente opostas!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *