O jornalismo em 2019

Projeto realizado pelo Farol Jornalismo e pela Abraji indica que transparência, fortalecimento da colaboração e reaproximação com o público serão fundamentais em 2019.

Jornalismo enfrentará agravamento da desintermediação e credibilidade em baixa

Moreno Osório

As eleições de 2018 ofereceram uma prévia do cenário a ser enfrentado pelo jornalismo brasileiro em 2019. As campanhas eleitorais, em especial a do presidente eleito, Jair Bolsonaro, aceleraram um processo de desintermediação característico da internet social. Impôs-se de maneira decisiva a máxima de que a informação precisa cada vez menos de mediadores tradicionais para circular, abalando a já fragilizada credibilidade do jornalismo.

Beneficiada por um cenário de polarização, intolerância e agressividade, a lógica de conexão ponta a ponta construiu uma realidade que muitas vezes esteve alheia aos fatos. Nesse novo ecossistema, atores políticos, de um lado, apresentam cenários que mais lhes interessam. Do outro, o público recebe uma narrativa que melhor representa o seu modo de pensar. Tudo isso passando ao largo do jornalismo e sua função mediadora.

As estratégias de comunicação do governo de transição e a sua postura em relação à imprensa acenam não só para o agravamento dessa realidade que emergiu ao longo de 2018, mas apontam para uma tendência que transcende o jornalismo político.

Em 2019, será trabalho do jornalismo estar atento a esse modus operandi. Expor as entranhas das plataformas sociais será essencial. No entanto, não será o suficiente para convencer novamente a sociedade da importância do nosso trabalho. Para responder à desintermediação, o jornalismo precisará aprofundar a sua relação com o público. Isso significará não apenas entendê-lo melhor. Será fundamental compreender que as pessoas estão cada vez mais atentas às contradições das nossas práticas. A resposta a essa desconfiança será aumentar a transparência e investir mais em diversidade e colaboração.

Pela terceira vez, Farol Jornalismo e Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) convidam jornalistas e pesquisadores para projetar o jornalismo no ano que se aproxima. Desafiados ao pensar 2019 em um momento no qual a poeira do pleito eleitoral estava longe de assentar, os autores desta edição do especial O jornalismo no Brasil esboçaram um quadro que contempla parte do cenário complexo que 2018 nos deixa. O horizonte é de grandes desafios, mas também de grandes oportunidades. Para aproveitá-las, entretanto, será preciso acordar.

Talvez o maior exemplo da dicotomia entre desafios e oportunidades esteja no que entendemos como credibilidade. A jornalista e pesquisadora Sílvia Lisboa buscou na filosofia subsídios para nos dizer: não basta um veículo jornalístico afirmar ser credível — a credibilidade construída em um único sentido não passa de estratégia mercadológica. É preciso demonstrá-la de maneira que a audiência a perceba.

Uma das possibilidades de garantir essa percepção, segundo Lisboa, é o veículo ser mais transparente em relação ao seu financiamento e à sua postura diante dos fatos. Outra, é que o jornalismo “saia da armadilha de ser um mero reflexo das guerras culturais que brotam no subterrâneo da internet e procure pautar uma agenda que se reconcilie com os pilares dos ideais modernos”, de acordo com a jornalista e pós-doutora em Comunicação Rosane Borges.

A transparência também permeia a reflexão do jornalista e editor do Projeto Comprova, Sérgio Lüdtke, sobre desinformação. Frente a um ecossistema marcado por bolhas de paredes cada vez mais espessas, para conter a desinformação, é imperativo que os atuais esforços de fact-checking sejam mantidos. Mas não bastará que os jornalistas sigam apenas expondo o problema. Será preciso convencer as pessoas de que a narrativa jornalística busca o bem comum. Para isso, o jornalismo necessita de “novo contrato de confiança com a sociedade”.

Esse novo contrato passa por um esforço maior para conhecer o público. No caso da checagem de fatos, a jornalista do Filtro Fact-Checking e pesquisadora Taís Seibt sugere a adoção de formatos que conversem melhor com os ambientes onde o brasileiro costuma se informar. Ela acredita que checagens em vídeo ou em áudio podem ter mais chance de circular no WhatsApp, por exemplo.

No caso do jornalismo realizado nas periferias, a pesquisadora Cláudia Nonato ressaltou o desafio de compreender os anseios de parte da população que votou em Jair Bolsonaro. Quase sempre de viés progressista, iniciativas jornalísticas que procuram dar visibilidade a camadas populares precisarão adaptar estratégias para se aproximar e acolher essas pessoas, mas sem deixar de lado os padrões éticos que regem a profissão.

As estratégias de diversidade também serão importantes para o jornalismo em 2019. O pesquisador Gean Gonçalves sinaliza a possibilidade de as redações brasileiras adotarem editores de gênero, a exemplo do que fizeram El País e NYT neste ano. Caberá também ao jornalismo, ressalta Gonçalves, estar atento às pressões que grupos de mulheres e pessoas LGBT possam vir a fazer frente às políticas do novo governo, bem como “monitorar e reportar as violações que possam se agravar e afetar com mais afinco essas comunidades”.

A vigilância aos passos dados por Bolsonaro também vai nortear o jornalismo realizado na Amazônia. A jornalista Elaíze Farias chama a atenção para as dificuldades de se atuar de maneira independente em uma região estratégica, porém distante do centro econômico e político do país. Para combater a subserviência que normatiza a devastação, a cobertura precisará abraçar a complexidade amazônica, deixando de lado estereótipos e chavões.

O desafio a ser enfrentado pelo jornalismo na Amazônia não é apenas narrativo, mas também financeiro. A falta de recursos não estrangula apenas o jornalismo na região norte. Em todo o país, o jornalismo local sofre com modelos de negócio quebrados que inviabilizam a inovação, conforme observa Sérgio Spagnuolo, editor do Volt Data Lab e coordenador do projeto Atlas da Notícia. A distância em relação ao jornalismo realizado nos grandes centros aumenta. Com ela, a desintermediação. Sem veículos capazes de cobrir pequenas e médias cidades, a população fica à mercê da desinformação.

Uma das soluções, em termos de negócio, pode estar no que Patrícia Gomes, diretora de produtos no JOTA, chamou de “journalytics”. Olhar com atenção para os dados gerados pelos usuários pode ser um jeito de conhecê-los melhor. Adaptar os produtos jornalísticos ao comportamento de quem os consome ajudará a reestabelecer uma relação de confiança entre jornalismo e seu público.

Em 2019, o jornalismo brasileiro precisará reencontrar o seu público. Ao reencontrá-lo, precisará se desarmar. “A crise de credibilidade que a imprensa vive hoje deve mais e mais contribuir para que jornalistas se desencastelem, e perguntem aos seus leitores a razão de não confiarem no que leem na imprensa profissional”, escreveu Guilherme Amado, repórter do Globo e da Época.

A afirmação do jornalismo como mediador social relevante depende desse reencontro. Não apenas no ano que se avizinha, mas também nos outros que virão. Porque para vencer a guerra pela verdade, os guardiões — a Pessoa do Ano de 2018 da revista Time — vão precisar do público ao seu lado.

 

Clique aqui para ao saite do projeto.

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[17/12/18]

Veja também

Dieese oferece curso de economia para jornalistas em BH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *