Suspeito de intermediar contrato superfaturado em troca de silêncio, dono de jornal é preso em Campinas

Sylvino de Godoy (foto) é proprietário do Grupo RAC, que publica os jornais Correio Popular, Notícia Já e Revista Metrópole na região de Campinas.

O empresário Sylvino de Godoy, proprietário do Grupo RAC – que publica os jornais Correio Popular, Notícia Já e Revista Metrópole, que circulam na região de Campinas, foi preso, na manhã desta quinta-feira (22), na 3ª Fase da Operação Ouro Verde do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do Ministério Público, com o apoio do Baep (Batalhão de Operações Especiais da PM).

O empresário, que se recupera de uma cirurgia, passou mal no momento da prisão e foi encaminhado para o Hospital da PUC-Campinas, onde permanece internado com a escolta da polícia.

Sylvino é suspeito de ter intermediado a contratação de seu filho, Gustavo Godoy, pela Organização Social Vitale, que administrava na época o Hospital Thiago Pena. A contratação de Gustavo, que também tem mandado de prisão expedido, se deu por um salário maior do que o padrão para o cargo. Em troca, Sylvino teria que omitir nos veículos de comunicação que comanda notícias sobre uma suposta ligação da administração municipal no desvio de recursos públicos pela Vitale.

Ele chegou a ser grampeado em ligação telefônica ao Diretor da Vitale, Ronaldo Foloni, em conversas que teriam confirmado as suspeitas levantadas pela investigação.

Além de Sylvino, também teve mandado de prisão o secretário de Assuntos Jurídicos da prefeitura de Campinas, Silvio Bernardin. Promotores do Gaeco fizeram buscas em seu gabinete na prefeitura, na manhã desta quinta-feira. Ele ainda não foi encontrado. Bernardin teria interferido para a contratação da Vitale.

O prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), informou que o secretário de Assuntos Jurídicos pediu exoneração. Em nota, o governo alega que a demissão ocorreu para que o agora ex-secretário possa exercer “o direito inalienável de todo cidadão garantido pela Constituição Federal de amplo direito de defesa”.

Dentre os investigados, além de Bernadin e Sylvino, estão dois ex-diretores do Hospital Ouro Verde e quatro empresários. Os alvos são investigados pelos crimes de organização criminosa, corrupção, peculato e lavagem de dinheiro. Ao todo estão sendo cumpridos oito mandados de prisão temporária e 11 mandados de busca e apreensão nas cidades de Campinas, Jundiaí, Serra Negra e São Paulo.

A operação, batizada de “Reação”, investiga desvios de recursos públicos do Hospital Ouro Verde, em Campinas. Nesta etapa, apurou-se o desvio de mais de R$ 2 milhões de recursos públicos, em esquema criminoso que envolveu o direcionamento de contratação de fornecedores com preços superfaturados e a entrega de vantagens indevidas a agentes públicos.

(Publicado pela revista Fórum. Com informações de A Cidade, de Campinas. Crédito da foto: Digitais PUC Campinas.)

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[22/11/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *