Familiares de jornalistas da Abril preparam ato público para denunciar calote da empresa

O Comitê dos Jornalistas Demitidos da Abril publicou no saite do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo nesta quinta-feira 6/9 o seguinte texto.

 

“Protesto contra as 800 demissões sem nenhum pagamento de direitos trabalhistas. Dia 14/9 (sexta), às 12 h, na porta da gráfica (Marginal Tietê).

Por Redação – Comitê dos Jornalistas Demitidos da Abril.

É fundamental a presença neste ato que demonstra a nossa repulsa e indignação diante da dispensa em massa, no dia 6 de agosto, de 800 empregados que ajudaram a construir a história do Grupo Abril. Jornalistas, gráficos, funcionários da distribuição e do administrativo, além de freelas: precisamos comparecer e mostrar força!

Até o presente momento, a empresa não cumpriu sua obrigação. Negou-se a pagar TODAS as verbas rescisórias (incluindo a multa de 40% sobre o FGTS) e mais uma multa (referente ao artigo 477 da CLT) por não ter quitado, em dez dias, sua dívida com os empregados demitidos. Conseguiu esse feito com ajuda da Justiça: no dia 16 de agosto, o juiz atendeu o pedido do Grupo Abril, que entrou em Recuperação Judicial (RJ). Dessa maneira, nós, que tínhamos o salário como única fonte de sustento, fomos jogados em uma interminável lista de credores a quem o Grupo Abril deve 1,6 bilhão de reais. Credores são os bancos, os grandes fornecedores de papel, as empresas estrangeiras com quem a Abril mantém negócios. Nós somos trabalhadores! Muitos, entre os demitidos, já estão sem dinheiro para comprar comida, pagar a escola dos filhos, o transporte, as prestações, os remédios…

Aos seus empregados, a Abril reservou o calote. Nossa parte (incluindo a dos freelas) corresponde a cerca de 8% da dívida total. Isso, a Família Civita, principal acionista do grupo, poderia pagar com recursos próprios. Os três herdeiros que chefiam o clã são donos de um patrimônio mundialmente reconhecido. A Exame repercutiu, poucos anos atrás, a lista das maiores fortunas do Brasil, publicada pela Forbes. Os bens pessoais dos três irmãos Civita estavam na casa dos R$ 10 bilhões (em valores de hoje).

Com 110 milhões de reais eles cumpririam a obrigação de pagar os homens e as mulheres que, dia e noite, incansavelmente, trabalharam para que a Abril se tornasse a maior editora de revistas da América Latina – e eles mantivessem o conforto de que dispõem hoje.

É preciso fazer o Grupo Abril assumir a responsabilidade com aqueles que jogou no olho da rua. Vamos pressioná-lo com o comparecimento em massa! No ato, entregaremos uma CARTA ABERTA À FAMÍLIA CIVITA.

As famílias dos demitidos estarão na porta da Gráfica para entregar esse documento. Vamos demonstrar que estamos unidos e fortes, defendendo o que o nosso suor conquistou – e que agora nos querem roubar.

IMPORTANTE: Chame os freelas, os antigos funcionários, os aposentados e os que foram demitidos nos meses anteriores. Leve toda a sua família!
Data: 14/9 (sexta-feira)
Horário: 12h (na troca de turno dos gráficos)
Local: Gráfica – Avenida Otaviano Alves de Lima, 4400, Marginal do Tietê, perto da ponte da Freguesia do Ó.

#AbrilComFome
#FimDoCalote
# PagaCivita!”

 

#LutaJornalista

#SindicalizaJornalista

[6/9/18]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *