Estado de Minas e TV Alterosa não comparecem a mediação e Ministério do Trabalho pede fiscalização

O jornal Estado de Minas e a TV Alterosa não compareceram à mediação no Ministério do Trabalho marcada para esta quinta 5/4 para discutir a tentativa de aumento da jornada de trabalho para 10 horas, sem pagar horas extras. A reunião foi pedida pelo Sindicato dos Empregados na Administração de Jornais e Revistas da Capital. Diante do não comparecimento, a mediadora encaminhou pedido de fiscalização nas empresas.

“Liguei para o procurador do jornal, Gustavo Aquino, para saber por que ele não compareceu, e ele me respondeu que a empresa não tem interesse em discutir o assunto. Isso mostra que a intenção da empresa é abusiva e lesiva aos interesses dos trabalhadores”, disse Rodrigo Marcos do Carmo, diretor do sindicato dos empregados na administração.

No mês passado, o Estado de Minas e a TV Alterosa distribuíram aos jornalistas, gráficos e empregados da administração um documento para que eles assinassem concordando com o aumento da jornada de trabalho para 10 horas por dia. Diante da reação dos jornalistas e dos gráficos ao aumento da jornada, o Estado de Minas e a Alterosa reavaliaram o procedimento em relação às duas categorias, mas mantiveram o assédio aos empregados da administração.

Segundo Rodrigo, alguns trabalhadores assinaram o documento, com receio de perder o emprego. Por isso o sindicato pediu a mediação do Ministério do Trabalho.

Em 2016, as duas empresas impuseram ilegalmente um corte salarial de 30%. Agora, depois de reduzir os salários, querem aumentar a jornada, também ilegalmente. A redução salarial está sendo questionada na justiça pelos sindicatos e o Ministério Público do Trabalho já deu parecer afirmando que ela é ilegal.

A orientação dos sindicatos é que nenhum trabalhador assine o acordo para aumento da jornada de trabalho.

Nenhum direito a menos!

Luta, Jornalista!

[5/4/18]

Veja também

Campanha Salarial 2020 dos jornalistas, assessores e radialistas: saiba como estão as negociações com os patrões

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *