Sindicato repudia censura do senador Zezé Perrella ao Diário do Centro do Mundo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais vem a público manifestar sua solidariedade aos jornalistas do Diário do Centro do Mundo censurados pela Justiça a pedido do senador Zezé Perrella (PMDB). A decisão liminar impede que o DCM use em suas matérias a palavra pela qual ficou conhecido o helicóptero da família do senador apreendido pela Polícia Federal em 2013 com 445 quilos de cocaína: helicoca.

Trata-se de uma restrição à liberdade de imprensa sem precedentes. Termos de uso popular como helicoca são empregado pela imprensa de forma corriqueira sem que nunca antes se tenha tentado censurá-los. Causa surpresa igualmente que somente o DCM seja alvo da censura.

Quatro anos depois da apreensão, o episódio do helicoca continua obscuro. Se alguma luz foi lançada sobre o assunto, se a sociedade pôde conhecer um pouco sobre dois dos seus representantes no Legislativo – o senador e seu filho, o ex-deputado estadual Gustavo Perrella –, e sobre a história do helicoca, foi graças ao trabalho dos jornalistas, entre eles os do DCM.

Em maio deste ano, o assunto voltou à imprensa na voz do próprio senador. Em conversa com o também senador mineiro Aécio Neves (PSDB), gravada e divulgada pela Polícia Federal, e publicada também amplamente, Perrella diz: “Eu sou muito agredido até hoje por causa do negócio do helicóptero, sabe, Aécio? Eu não faço nada de errado, só trafico drogas”.

Há uma clara inversão de direitos quando a punição para fatos tão graves recai sobre jornalistas.

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS DE MINAS GERAIS

29/8/17

Veja também

SJPMG e Fenaj repudiam agressões a repórter da TV Integração em Prata (MG)

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e a Federação Nacional dos Jornalistas vêm ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *