Em protesto inusitado, funcionário de cemitério escreve ‘entra Temer’

Enquanto 92% dos brasileiros rejeitam Michel Temer e engrossam o coro do ‘Fora Temer’, o funcionário de um cemitério fez um protesto inusitado e pintou a parede com o inverso: ‘entra Temer’.

Abaixo, informações sobre a maior greve geral da história do País, contra o governo mais impopular de todos os tempos.

Greve geral: centrais sindicais dizem que paralisação foi ‘a maior da história’

São Paulo, 28/4/2017 – As centrais sindicais que organizaram as paralisações de hoje afirmam que não contabilizaram números de adesões, mas, segundo a Força Sindical, passou de 40 milhões de pessoas. Dados disponíveis pelas entidades indicam que a última grande greve no País, em 1989, teve 35 milhões de adesões.

“Foi a maior greve da história”, afirma o presidente da CUT, Vagner Gomes. “Foi uma resposta ao Temer e ao Congresso de que a sociedade não concorda com o fim da CLT, com a terceirização e o fim da aposentadoria.”

Segundo ele, a partir da próxima semana os sindicalistas “vão ocupar Brasília” para convencer os senadores a votarem contra a reforma trabalhista, que esta semana foi aprovada no plenário da Câmara.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, disse que o movimento de hoje foi um recado para que o governo abre negociações para se fazer uma reforma “civilizada”, que mão seja feita só pelo governo e o Congresso, mas com a participação dos trabalhadores.

Em resposta a críticas de que a greve só ocorreu porque houve piquetes em importantes vias, com pneus incendiados, Gomes diz que é assim que ocorre na França, na Inglaterra, no Brasil e em outros países. “Greve não é um acordo entre a sociedade e o governo, é um confronto. Se o governo fizesse as coisas certas isso não ocorreria.”

(Publicado no Brasil 247.)

[2/5/17]

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *