A pesquisa Contagem de Ciclistas 2016 traz novos dados sobre o uso da bicicleta em BH

Desde 2010, o número de ciclistas em Belo Horizonte aumentou 7,7%. Este resultado faz parte da pesquisa Contagem de Ciclistas 2016, que aconteceu entre os dias 1º  a 21 de setembro. A pesquisa foi realizada pela BH em Ciclo – Associação dos Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte – em parceria com o ITDP Brasil (Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento). Outros números expressivos foram contabilizados, como o aumento no número de mulheres pedalando: em 2010 elas eram 2,34% do total. Esse ano, elas totalizam 6,83%, um aumento de 192%.

A Contagem de Ciclistas é um instrumento importante no planejamento das políticas públicas para o fomento do uso da bicicleta como modo de transporte. Com ela, é possível gerar dados para cobrar ações que atendam mais adequadamente as demandas de quem usa a bicicleta como meio de transporte.

As pesquisas foram realizadas em sete locais diferentes da cidade, em vias que apresentavam diferentes estruturas cicloviárias ou mesmo a ausência delas. Todas as contagens foram realizadas em dias úteis, entre terça e quinta feira, das 7h às 19h. Além da contagem numérica, foi feita uma avaliação qualitativa dos ciclistas, registrando: gênero; faixa etária estimada; local de preferência de passagem (ciclovia, calçada ou rua); sentido de deslocamento; tipo de bicicleta (pública, particular ou cargueira); uso ou não do capacete.

No total de sete pontos pesquisados, foram contados 1.962 ciclistas circulando pela cidade, sendo 135 (6,88%) identificados como mulheres e 1.827 (93,12%) como homens. Em relação à faixa etária, 2,34% são crianças (abaixo de 12 anos), 12,54% são jovens entre 12 e 18 anos, a ampla maioria está entre 18 e 40 anos (55,25%) e 28,8% são pessoas acima de 40 anos.

Como 4 dos 7 pontos avaliados possuem ciclovias, aproximadamente metade das pessoas (49,34%) trafegavam pela ciclovia, mas um percentual bem significativo (39,55%) optou por exercer seu direito de compartilhar as ruas com outros veículos, mas 11,06% das pessoas preferiu trafegar pelas calçadas, provavelmente por ainda sentirem insegurança de usar as ruas. Foram identificados 1,78% de pessoas em bicicletas cargueiras e 1,58% em bicicletas compartilhadas.

Comparativo

A contagem anterior foi realizada em 2010. Ao comparar as pesquisas, é possível perceber que Belo Horizonte ainda precisa avançar muito no sentido de promover e estimular o uso da bicicleta como modo de transporte, especialmente fora das áreas centrais da cidade.

Em 2010, à época da primeira contagem realizada em BH, tínhamos 23,81 km de ciclovias e ciclofaixas. Seis anos depois, a cidade ainda tem uma malha cicloviária tímida, contabilizando cerca de 85 km de estruturas majoritariamente exclusivas para bicicletas. Além disso, muito da estrutura construída nesse período vem se deteriorando com a falta de manutenção adequada. A cidade conta com um projeto cicloviário que prevê a construção de 411 km de ciclovias até 2020, mas enquanto ele não é concluído os poucos trechos que se tem construído permanecem desconectados.

Somente com uma política consistente de incentivo ao uso desse modo de transporte será possível alcançar a meta prevista pelo Plan-MOB de 6% dos deslocamentos da cidade até 2020 serem realizados em bicicleta. Para isso, medidas como a ampliação e melhoria da estrutura cicloviária (bicicletários, ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas), implementação de pontos de apoio ao ciclista, campanhas educativas perenes, integração física e financeira dos modos de transporte e outras são essenciais.

Dados abertos: http://bit.ly/dadosabertoscontagem2016.

Relatório analítico: http://bit.ly/relatorioimpressao.

Contato: Carlos Edward Campos – (31) 9-8781-3908.

 

Veja também

Faça uma doação e ajude a salvar a sede da Fenaj

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) está em campanha de arrecadação de recursos para manter ...

Um comentário

  1. Gostaria de saber quantas bicicletas existem no Estado de Minas Gerais, grato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *