Jornais e revistas: Ministério do Trabalho considera absurda a proposta patronal. Assembleias estão mantidas

Em reunião no fim da tarde desta terça-feira 13/9 na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), a mediadora e auditora fiscal do Trabalho Alessandra Parreiras classificou a proposta apresentada pelos patrões de perda de direitos e aumento bem abaixo da inflação de “isolada e anômala” em relação a todas as outras que já foram ou estão sendo negociadas no âmbito da SRTE. Donos de jornais e revistas se comprometeram a discutir a retirada da pauta de retrocessos. As assembleias nas redações, começando pelo jornal O Tempo, hoje 14/9, estão mantidas.

Segundo a mediadora, foi a primeira vez que uma proposta sugerindo perda de direitos conquistados há décadas foi apresentada na mesa de negociações. “Esses direitos fazem parte de uma história construída ao longo de décadas não só pelos sindicatos laborais, mas também pelo sindicato patronal e não pode ser perdida assim”, disse. Acrescentou que, por dever de ofício, tinha a obrigação de alertar o sindicato patronal sobre o absurdo da proposta e defendeu a preservação de direitos.

Os sindicatos dos trabalhadores também rechaçaram a pauta e informaram que não vão discutir de maneira alguma perda de conquistas. Sugeriram a retirada da proposta para que as discussões sobre o aumento prossigam. Também relataram que a enorme revolta nas redações provocada pela proposta patronal e que não há nenhuma chance de ela ser aceita pela categoria.

A pauta apresentada pelos patrões implica em corte dos salários dos jornalistas em cerca de 23% e perda de direitos para todas as outras categorias de trabalhadores em jornais e revistas, com a redução do percentual das horas extras, do adicional noturno e diminuição do período de estabilidade após fechamento da convenção coletiva, além de um aumento de apenas 3,5 % sem retroatividade.

Diante disso, o sindicato patronal assumiu o compromisso de convocar assembleia para discutir com as empresas jornalísticas a retirada da pauta para o prosseguimento das negociações envolvendo o aumento salarial.

Foi agendada uma nova reunião para o dia 23 de setembro.

As assembleias nas redações estão mantidas: hoje, dia 14/9, 14h30 no O Tempo, Super, Pampulha e portal; quinta, 15/9, no Estado de Minas, Aqui e portal, às 13h; sexta, dia 16/9, no Hoje em Dia, às 13h.

 

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *