OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Diários Associados: trabalhadores do Estado de Minas cruzam os braços

Os trabalhadores do jornal Estado de Minas não trabalharam nesta quinta-feira 14/1 pelo segundo dia consecutivo em protesto pelo não pagamento do 13º salário e descumprimento de outros direitos trabalhistas pela empresa. Uma nova reunião de mediação no Ministério do Trabalho, entre representantes dos Diários Associados e dos quatro sindicatos de trabalhadores – jornalistas, radialistas, empregados na administração e gráficos –, foi marcada para a próxima terça-feira 19/1.

Diante da marcação dessa reunião, os trabalhadores da TV Alterosa decidiram mudar sua agenda de paralisações. Eles também interromperam o trabalho hoje durante duas horas e voltarão a parar na segunda 18/1, às 13h, e na terça 19/1, às 10h. Amanhã, sexta-feira, todos trabalharão normalmente, tanto na emissora quanto no jornal. Novas assembleias para decidir sobre novos passos do movimento estão marcadas para quarta-feira 20/1.

A paralisação no Estado de Minas, ontem, a partir da tarde, fez com que o jornal circulasse fino, com matérias frias e de agências de notícias. Hoje a paralisação aconteceu durante todo o dia, com grande adesão dos trabalhadores, o efeito deve ser ainda maior. “Temos que valorizar a nossa luta, porque só assim a empresa ouve os trabalhadores”, disse o presidente do Sindicato, Kerison Lopes.

Ele lembrou que, ao contrário do que acontece com outras empresas de comunicação, negociar com os Diários Associados não tem dado resultado. “A empresa mente e não cumpre o que promete. Ela só entende quando paramos o trabalho”, disse, lembrando que foi depois de paralisações que a empresa pagou 25% do 13° e, ontem, mais uma parcela, que seria de mais 25º mas não chegou a isso.

A primeira greve desde 1989

Kerison voltou a denunciar o assédio moral e práticas antissindicais pela empresa, o que fez com que parte dos trabalhadores não aderisse à paralisação, mas pediu a compreensão dos grevistas. “Não vamos nos dividir. Se a empresa convenceu alguns colegas a trabalhar, vamos conversar com eles e ficar ainda mais fortes na próxima vez”, disse. “Os trabalhadores que estão aqui devem se sentir orgulhosos, porque estão fazendo história. Esta é a primeira greve de jornalistas em Minas desde 1989, quando colegas da Rede Globo paralisaram o trabalho.”

Ele acrescentou que os trabalhadores estão mobilizados para que 2016 seja um ano diferente de 2015, quando a empresa descumpriu seguidamente suas obrigações trabalhistas. “O plano de saúde vence daqui a quinze dias e os trabalhadores não sabem como será depois. Não é possível sair de férias e não receber o pagamento, ficar sem tíquete alimentação, sem vale transporte. Desse jeito o trabalhador não tem segurança, não pode organizar a sua vida”, protestou.

Kerison repetiu que os Diários Associados são riquíssimos e donos de grande patrimônio. Não falta à empresa dinheiro para cumprir suas obrigações trabalhistas, mas que ela prefere distribuir os lucros entre os condôminos. “Isso é roubo. É o dinheiro dos trabalhadores que está sendo desviado”, disse, numa referência aos recolhimentos do FGTS e da Previdência, que não estão sendo feitos, além de outros benefícios.

 

Na foto, a paralisação dos trabalhadores do Estado de Minas. (Crédito da foto: Gil Sotero.)

Veja também

ALMG tem surto de covid depois de convocar todos os terceirizados, muitos sem direito a plano de saúde

Já são seis trabalhadores da área de comunicação da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (quatro ...

Um comentário

  1. Rubens de Oliveira

    Sou vendedor do Jornal Estado de Minas moro em Juiz de Fora trabalho viajando, no interior de minas, a empresa não liberou verba de transporte hospedagem e alimentação, estou em casa aguardando como maior parte do meu salário e por premiação sobre vendas estou sendo prejudicado.Me ajudem por favor
    Cel32991774047
    32988719225

Deixe uma resposta para Rubens de Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *