Mesa-redonda em Coronel Fabriciano debate violência contra profissionais da imprensa

A violência e a censura praticada contra jornalistas em todo Brasil serão tema de uma mesa redonda nesta terça-feira 10/11, às 20h55, no Auditório Padres do Trabalho, no Centro Universitário do Leste de Minas (Unileste), em Coronel Fabriciano. Participarão do debate: o presidente do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, Kerison Lopes, o secretário de Estado de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, professores e jornalistas. Organizado pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais (Unileste), o debate faz parte da Semana do Congresso da Escola de Ciências Sociais Aplicadas (Consisa), que acontece entre os dias 9 a 13 de novembro.

Na oportunidade, haverá o lançamento do documentário “Impunidade Mata”, que conta a história do assassinato do jornalista Rodrigo Neto, morto em decorrência do exercício da profissão, em 8 de março de 2013, em Ipatinga. O curta traz depoimentos de colegas de trabalho de Rodrigo Neto, do presidente do Sindicato dos Jornalistas, de integrantes do Comitê Rodrigo Neto e da ex-ministra de Direitos Humanos, Maria do Rosário.

O vídeo foi produzido pela Organização Não Governamental Artigo 19. Com sede em São Paulo, a ONG trabalha na defesa da liberdade de expressão, acesso à informação e liberdade de imprensa, acompanhando casos que envolvam graves violações contra comunicadores. Thiago Firbida, representante da Artigo 19, também estará presente ao debate.

A mesa redonda ainda terá a participação de uma representante do Comitê Rodrigo Neto, a jornalista Gizelle Ferreira. O comitê foi criado por profissionais da imprensa de Ipatinga logo após o assassinato do repórter, com o objetivo de cobrar rigor na apuração do crime. O grupo também foi responsável por produzir uma série de reportagens sobre os casos para os quais Rodrigo cobrava incessantemente por justiça. À época, um dossiê com os principais casos foi entregue ao então governador de Minas, Antônio Anastasia.

Para Gizelle Ferreira, o evento é uma maneira de fazer com que o caso não caia no esquecimento e também uma forma de esclarecer aos futuros jornalistas sobre a necessidade da federalização dos crimes contra os profissionais de imprensa. “Não podemos esquecer que o crime contra Rodrigo não foi completamente solucionado. Ainda falta saber quem são os mandantes e a motivação. Após a morte dele, outros profissionais morreram e estão sendo ameaçados. Nosso dever enquanto jornalistas e estudantes de jornalismo é cobrar para que os crimes contra os profissionais da imprensa seja federalizado para que a Polícia Federal possa fazer as investigações”, disse.

Os assassinatos

O jornalista e radialista Rodrigo Neto foi assassinado em 8 de março de 2013. O crime aconteceu no bairro Canaã, em Ipatinga. O repórter saía de um churrasquinho quando dois homens em uma moto se aproximaram. O carona sacou uma arma e efetuou três tiros certeiros contra a vítima, que morreu a caminho do hospital.

A Polícia Civil e o Ministério Público apontaram o ex-detetive Lúcio Lírio Leal e Alessandro Neves Augusto, o “Pitote”, como sendo os autores do crime. Em abril de 2013, o repórter fotográfico Walgney Carvalho também foi morto a tiros em um pesque-pague em Coronel Fabriciano. De acordo com as investigações, “Pitote” apareceu mais uma vez como suspeito. Para a polícia, não havia dúvidas de que Alessandro queria “calar a boca” de Carvalho, já que o repórter dizia que sabia quem havia matado Rodrigo.

Em junho do ano passado, Alessandro Neves Augusto, o “Pitote”, foi condenado a 16 anos pela morte de Rodrigo, e por uma tentativa de homicídio contra o amigo do jornalista que estava com ele na hora do crime. Em agosto de 2014, o ex-policial civil Lúcio Lírio Leal foi condenado a 12 anos de prisão pela morte do jornalista. Em junho deste ano, “Pitote” foi julgado e sentenciado a mais de 14 anos pelo assassinato do repórter fotográfico.

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *