Nota do Sindicato dos Jornalistas do Rio sobre as demissões no portal Terra

Quanto vale um jornalista? Pouco, muito pouco, de acordo com a lógica das empresas – que não param de demitir para depois contratar profissionais por salários cada vez menores. A bola da vez é o portal Terra. Nesta quinta-feira (6/8), foi anunciada a demissão de 80% dos profissionais da redação, incluindo aí o fechamento de sucursais – entre elas a do Rio de Janeiro. São mais de 60 jornalistas que agora estão sem emprego.

O absurdo não para por aí. A direção do site anunciou que o Terra agora será alimentado por apenas dez jornalistas, classificados como ‘curadores de conteúdo’. O que é vendido como ‘inovação’ e ‘multimídia’ se traduz na prática em sobrecarga de trabalho, acúmulo de função, baixos salários e o já conhecido assédio moral.

Em um ano com recorde de demissões nas empresas de comunicação do país, o Terra assume o 2º lugar entre os veículos que mais mandaram jornalistas embora em 2015. A Editora Abril mantém a liderança desse triste ranking, de acordo com os dados compilados pelo projeto Volt Data Lab. O projeto monitora as demissões na imprensa brasileira. Nos últimos 12 anos, o Terra recebeu R$ 75 milhões em verbas de publicidade do governo federal.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro repudia as demissões e a reestruturação promovida pelo Terra ao custo do trabalho dos jornalistas. Reivindicamos uma reunião com a direção da empresa e estamos à disposição dos profissionais demitidos para orientações jurídicas e demais esclarecimentos pelo telefone 3906-2450 ou denuncia@jornalistas.org.br.

(Publicado no saite do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro.)

Veja também

15 projetos de lei endurecem penas de crimes contra jornalistas no Brasil

Por Júlio Lubianco Num momento de piora da liberdade de imprensa no Brasil, pelo menos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *