Grandes empresas de mídia demitiram mais de mil jornalistas em três anos, aponta pesquisa

Em pouco mais de três anos, foram contabilizadas pelo menos 1.084 demissões de jornalistas em cerca de 50 veículos de imprensa, grande parte por cortes de custos. É o que aponta o levantamento do Volt Data Lab, projeto independente de jornalismo de dados.

Segundo a pesquisa, o total de demissões em empresas de mídia, incluindo funcionários administrativos, técnicos ou outros tipos de profissionais fora da redação, foram de, no mínimo, 3.568.

Em meio a prejuízos, venda e encerramento de títulos, a Editora Abril foi a empresa jornalística que mais dispensou funcionários desde 2012 até o começo de junho. Foram pelo menos 440 demissões, sendo 163 apenas de jornalistas em diversas redações.

Dos seis veículos que demitiram 50 ou mais jornalistas, cinco são exclusivamente impressos. O Grupo Estado e o Grupo Folha ficaram empatados em segundo lugar no ranking, com pelo menos 65 jornalistas demitidos. Em seguida, vêm o Grupo RBS (54), o portal Terra (50) e o jornal Valor Econômico (50).

No total de demissões, incluindo outras profissões, a Abril também lidera a lista, com pelo menos 446 demissões, seguida da TV Record (369), MTV (300), Terra (250), Rede TV! (223) e o jornal O Globo (170).

Além disso, o levantamento aponta que o ânimo dos novos profissionais com o jornalismo também parece estar para baixo. O total de registro de novos jornalistas (MTB) vem caindo no país inteiro, depois de um crescimento em 2011.

As informações que integram a pesquisa foram obtidas pela contagem do número de desligamentos a partir dos saites: Portal Imprensa, Portal dos Jornalistas e Comunique-se.

(Publicado no portal do FNDC, em 15/6/15.)

Veja também

Fenaj adere à campanha Tributar os Super-ricos

Conjunto de medidas propostas pode elevar a arrecadação em cerca de R$ 300 bilhões e ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *